PUBLICIDADE

Governo de SP lança programa com bonificação para escolas com melhores índices de alfabetização

A meta é que, até o final de 2026, 90% das crianças com 7 anos sejam consideradas leitoras

20 fev 2024 - 17h18
(atualizado às 21h04)
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
O governo de SP lançou o programa Alfabetiza Juntos SP para unir 645 municípios para alfabetizar crianças até os 7 anos. Serão investidos R$ 200 milhões em bonificações e a meta é alcançar 90% de alfabetização em 2026.
Foto: Leren Lu/GettyImages

O governo de São Paulo lançou, nesta terça-feira, 20, o programa Alfabetiza Juntos SP, iniciativa que pretende unir os 645 municípios e as 91 diretorias de ensino com o objetivo de atingir a alfabetização de crianças até os 7 anos de idade. O governo anunciou uma bonificação para as escolas com os melhores resultados de alfabetização, em que serão investidos R$ 200 milhões nesta ação.

Durante o lançamento, o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) disse que o bônus será de R$ 100 por aluno para as escolas que alcançarem a meta, segundo o jornal Folha de S. Paulo. Apesar desta parte da ação contar com investimento estadual, o programa adquiriu recursos do governo federal e segue um modelo estruturado pelo Ministério da Educação (MEC).

A meta é chegar até o fim da gestão, ou seja, 2026, com 90% das crianças com 7 anos leitoras. Na última avaliação da Fluência Leitora, em dezembro de 2023, 64% das crianças matriculadas nas unidades estaduais e em 600 municípios participantes eram consideradas leitoras iniciantes ou fluentes.

São consideradas leitoras fluentes as crianças que conseguem ler entre 45 e 60 palavras corretamente no decorrer de um minuto, entre 28 e 40 pseudopalavras (palavras inventadas ou sem significado) e atingem 97% de precisão na leitura de palavras existentes em um texto.

Para que o Alfabetiza Juntos SP se transforme em uma política pública de Estado, o governador Tarcísio de Freitas assinou um decreto de criação do programa. Atualmente, 1.400 escolas estaduais oferecem os anos iniciais do Ensino Fundamental. Essas unidades também integrarão o programa com vistas à alfabetização plena.

Pior que Azerbaijão e Turquia: veja o desempenho do Brasil no ranking global de alfabetização Pior que Azerbaijão e Turquia: veja o desempenho do Brasil no ranking global de alfabetização

O programa é uma iniciativa da Secretaria de Educação de São Paulo, com apoio técnico da União dos Dirigentes Municipais de Educação do Estado de São Paulo (Undime-SP) e em parceria com a Aliança, coalizão formada por Fundação Lemann, Instituto Natura e Associação Bem Comum. Segundo a Seduc, não há qualquer contrapartida financeira do Governo do Estado de São Paulo.

Como vai funcionar o programa:

A adesão dos municípios ao Alfabetiza Juntos SP deve ser feita por meio de cadastro no Plano de Ações Integradas do Estado de São Paulo (Painsp). No regime de colaboração entre Estado e prefeituras, a Secretaria da Educação ficará responsável por:

  • Formação continuada para professores alfabetizadores, gestores escolares e equipes regionais, concomitante ao início das parcerias firmadas nesta terça. A capacitação será feita em encontros online e presenciais, com formação desenvolvida pela Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação do Estado de São Paulo (Efape);
  • Avaliação e monitoramento dos níveis de proficiência em leitura e das estratégias definidas pelos municípios, incluindo participação na próxima edição da Avaliação de Fluência Leitora
  • Material didático impresso e complementos em versão digital para todos os alunos e professores dos 1º e 2º anos
  • Disponibilização da plataforma de leitura Elefante Letrado para as escolas
  • Criação de incentivos financeiros para escolas com os melhores resultados de alfabetização, monitoradas por meio do Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp) para 2º e 5º anos do ensino fundamental. A expectativa do Estado é investir R$ 200 milhões nesta ação.
Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade