Entenda as diferenças entre as redações do Enem e da Fuvest

Textos escritos no Enem e na Fuvest têm abordagem e formato bem distintos; estar bem informado ajuda nos dois exames

24 set 2019
05h11
atualizado às 08h56
  • separator
  • 0
  • comentários

SÃO PAULO - Redação causa insegurança em muitos vestibulandos, preocupados em cumprir as exigências para uma boa nota. Para quem vai prestar Enem e Fuvest, a preparação precisa ser específica, pois cada prova tem suas particularidades.

Segundo o professor de Redação, Felipe Leal, do Anglo Vestibulares, as principais diferenças entre os dois textos giram em torno dos assuntos cobrados e dos tipos de conclusão. "Os temas da Fuvest costumam ser mais gerais e filosóficos. De modo geral, têm relação com discussões da Sociologia e da Filosofia contemporâneas. Já os temas do Enem se referem a problemas presentes na realidade brasileira, especialmente no que se refere a direitos garantidos pela Constituição", explica o professor.

Para uma boa dissertação, é necessário estar bem informado sobre assuntos da atualidade. "Tenho buscado ler muito os jornais, principalmente os editoriais", conta Thiago Tertuliano, aluno do Objetivo que tenta uma vaga em Medicina. "Também sempre estou em contato com as notícias e busco estar a par dos acontecimentos que podem ser cobrados pelos vestibulares na Redação."

No Enem, temas relacionados às questões culturais, memória e cidadania têm chances de aparecer, bem como assuntos de ecologia, sustentabilidade e energias renováveis. "A base é sempre a Declaração Universal dos Direitos Humanos e o uso racional dos recursos ambientais para se pensar em um futuro mais respeitoso e digno", afirma Gabriela de Araújo Carvalho, coordenadora de Redação do Curso Poliedro.

Ela recomenda ainda o estudo de acentuação, pontuação e concordância, além de atenção à norma culta. "É preciso evitar as marcas de oralidade, as expressões informais usadas no cotidiano."

No Enem, proposta de intervenção aumenta nota

Treino semanal

Toda semana faça um texto dissertativo. "É essencial praticar as redações de temas de anos anteriores. Assim, o aluno conhecerá o perfil da prova", diz Gabriela de Araújo Carvalho, coordenadora de Redação do Poliedro. "É fundamental treinar o tempo, assim como se habituar ao limite de 30 linhas."

Visão geral da prova

Na prova, separe 15 minutos para ler a proposta da redação e 45 minutos para escrever o texto no fim. "Assim, é possível refletir mais sobre o tema, além de eventualmente aproveitar algum conteúdo das questões que possa estar relacionado ao tema", explica Felipe Leal, professor de Redação do Anglo.

Ideias de solução

As propostas de intervenção representam 1/5 da nota de Redação no Enem, ou 200 dos mil pontos totais. "Procure identificar problemas relacionados ao tema, demonstre suas causas ao longo do texto e, na conclusão, apresente propostas que se relacionem com esses problemas e causas", ensina Leal.

Repertório amplo

"Utilizar citações da música e literatura nacional pode ajudar o estudante a fazer uma analogia ao tema e elaborar uma boa argumentação", explica Gabriela. O professor do Anglo indica ainda que o uso do conhecimento obtido em outras disciplinas ao longo do texto de Redação: "Citações de História e Geografia são muito bem-vindas".

Fuvest valoriza estilo próprio e referências

Abordagem analítica

"Diferentemente do Enem, a Fuvest não apresenta um problema a ser resolvido, mas em geral uma situação a ser observada", explica Gabriela de Araújo Carvalho, coordenadora de Redação do Poliedro. Pense em possíveis causas e consequências para desenvolver no texto.

Estilo original

Evite fórmulas ou modelos de redação. "O tipo de texto e o perfil de correção da Fuvest valorizam a originalidade tanto na abordagem quanto no estilo", ressalta Felipe Leal, professor de Redação do Anglo.

Citações de autores

Use citações porque elas têm força argumentativa e demonstram um amplo repertório cultural. Autores como Zygmunt Bauman e Byung-Chu Han ajudam a compreender os temas tradicionalmente formulados pela Fuvest, diz Leal.

Exemplos atuais

Transforme o caráter abstrato ou filosófico dos temas em algo mais palpável. "Para se posicionar e comentar de forma mais clara, é interessante começar elencando exemplos concretos da atualidade e da história", afirma o professor do Anglo.

Bom encadeamento

Mantenha um fio condutor interessante. "Saiba o que pretende defender e como conduzirá o leitor pelo seu raciocínio", recomenda Gabriela, do Poliedro. "O texto precisa ser sintetizado de forma atraente, contribuindo para sua coerência", conclui Leal.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade