PUBLICIDADE

5 passos para preservar a Língua Materna

Especialista ensina ações para conservar línguas em risco de extinção

21 fev 2024 - 13h01
Compartilhar
Exibir comentários

O Dia Internacional da Língua Materna, celebrado anualmente em 21 de fevereiro, destaca a importância das línguas maternas na preservação da diversidade cultural e na promoção da educação de qualidade para todos. Assim, a homenagem evidencia o papel do idioma nativo na formação da identidade cultural e no acesso ao conhecimento.

A língua materna remete à nossa cultura e às tradições
A língua materna remete à nossa cultura e às tradições
Foto: Studio Romantic | Shutterstock / Portal EdiCase

Preservar a língua materna é fundamental, pois ela reflete a história e os valores de uma comunidade de forma autêntica. Essa preservação não apenas fortalece a literatura, a música, a arte e as tradições, mas também promove uma comunicação genuína e baseada nas raízes culturais.

Por que manter a língua materna viva?

Com a globalização, uma característica do século XXI, acaba-se centralizando a comunicação no inglês ou em outros idiomas considerados relevantes para a economia. Esse comportamento estimula a ideia de superioridade linguística, marginalizando as línguas maternas (primeiro idioma que a criança aprende, a partir do contato com a família).

Nesse contexto, vale lembrar que preservar as línguas maternas traz efeitos positivos em diversos âmbitos: o linguístico, o cultural e, até mesmo, o emocional. "Quanto ao aspecto linguístico, as línguas maternas contribuem para a riqueza da diversidade linguística global, o que possibilita não só a expressão mais espontânea das pessoas no dia a dia, como também a produção artística mais plural", diz Raphael Hormes, autor de Língua Portuguesa do Sistema de Ensino pH.

Mantém vivo o sentimento de pertencimento

Quanto ao aspecto cultural, as línguas maternas garantem a transmissão de histórias, tradições e mitos para as gerações futuras. Embora seja possível fazer isso em outro idioma, como o inglês, algumas nuances e "cores" da cultura local seriam perdidas, empobrecendo o patrimônio cultural de uma comunidade. Sobre o aspecto emocional, a troca entre nativos reforça o sentimento de identidade pessoal e pertencimento a determinado grupo.

Como preservar e revitalizar línguas maternas?

Segundo o especialista do Sistema de Ensino pH, algumas ações podem ser tomadas para a conservação das línguas em risco de extinção. Confira!

1. Documentação linguística

Com gravações de áudio e de vídeo ou transcrições escritas, é possível preservar o conhecimento linguístico e cultural para que, no futuro, essas línguas sejam lembradas.

As mídias digitais são uma ótima ferramenta para cultivar o idioma materno
As mídias digitais são uma ótima ferramenta para cultivar o idioma materno
Foto: DG FotoStock | Shutterstock / Portal EdiCase

2. Materiais digitais

Também pode-se estimular a elaboração de materiais educativos digitais (como aplicativos e plataformas de ensino) que incentivem o contato com línguas minoritárias e com produções artísticas (como filmes e apresentações musicais) em que haja representações de comunidades que as usem.

3. Pesquisas focadas na análise linguística

Outra medida consiste na criação de um programa federal que fomente trabalhos e pesquisas da área da Linguística, o desenvolvimento de recursos educacionais, a capacitação de falantes e a interação com as comunidades locais.

4. Interações nas redes sociais

As redes sociais podem favorecer a criação de comunidades, grupos ou fóruns que reúnam falantes de línguas maternas e pessoas interessadas em conhecê-las.

5. Inteligência artificial

Com a difusão da inteligência artificial e ferramentas como o ChatGPT, é possível recriar com mais facilidade padrões linguísticos de línguas extintas ou em processo de extinção.

O papel das escolas na valorização das línguas maternas

Instituições de ensino possuem grande responsabilidade em relação ao tema. "As escolas podem atuar, por exemplo, com a inclusão das línguas maternas nos currículos escolares, o que pode ser feito por meio de programas de educação bilíngue ou multilíngue. Claro, esse tipo de medida exige investimentos, uma vez que se oferece a língua dominante do país e a língua minoritária de determinada comunidade", diz Raphael Hormes.

Caso os próprios professores da escola não dominem essa língua minoritária, surge a necessidade de buscar parceria com a comunidade para encontrar indivíduos aptos a ajudar. Além disso, ele recomenda a realização de feiras, exposições e atividades culturais (teatro, poesia) que estimulem o uso e a valorização da língua materna.

No Brasil, isso pode ser feito em instituições que atendam comunidades indígenas, por exemplo. Além disso, em colégios bilíngues, é importante não negligenciar o estudo do português, língua materna dos brasileiros.

Por Daniela Soares

Portal EdiCase
Compartilhar
Publicidade
Publicidade