0

Parcerias na área de educação e tecnologia avançam entre Brasil e China

Ritmo acelerado da China traz mudanças tecnológicas no Brasil

6 nov 2019
02h35
atualizado às 03h03
  • separator
  • 0
  • comentários

O constante diálogo entre Brasil e China tem surtido efeito, com as relações econômicas crescendo de forma significativa a cada ano. Mas, mesmo já consolidada, a principal parceria comercial da economia brasileira ainda tem muito a oferecer. De acordo com a Serpa China, a cooperação entre os países significa a ascensão coletiva e o desenvolvimento de importantes áreas como a tecnologia e a educação.

"É preciso ampliar novos horizontes e ir além da exportação de commodities. Acredito que a parceria comercial entre Brasil e China possibilita investimentos dos lados, o que contribui para a geração de empregos, aumento da produtividade em determinados setores e a transferência de tecnologia, com efeitos bastante importantes, por exemplo, para o avanço de projetos em regiões menos desenvolvidas do País", diz Ian Lin, CEO da Serpa China. A soma das importações e exportações entre as duas nações alcançou um recorde inédito na América Latina — US$ 98,9 bilhões, ou quase R$ 400 bilhões, sinalizando um ápice na relação bilateral.

Lin ressalta, porém, que a parceria entre as indústrias e governos vai muito além dos negócios comerciais. Ao todo, o plano de parceria contempla sete áreas de cooperação: tecnologia espacial, aplicações espaciais, ciências espaciais, serviços de lançamento, suporte em rastreio e controle, equipamentos espaciais e treinamento de pessoal. A parceria entre brasileiros e chineses supera as dificuldades como distância e diferenças culturais. Vale salientar que, há mais de 30 anos, Brasil e China mantêm uma parceria na área de satélites de sensoriamento remoto, uma experiência que se tornou exemplo de sucesso para o mundo. A parceria foi firmada em 1988 e já desenvolveu seis satélites, cinco deles já lançados.

Outro foco da iniciativa é o desenvolvimento de pesquisas em áreas relacionadas à educação, pesquisa e inovação. Hoje, instituições das duas nações realizam intercâmbios acadêmicos, educacionais e científicos para professores, pesquisadores e pós-doutorandos. "Investir em conhecimento e tecnologia é a melhor oportunidade de negócio. Aqui na China, nós percebemos que o Governo quer impulsionar o crescimento do mundo, e esta parceria tem possibilitado ao Brasil mais recursos, mais oportunidades e mais áreas de pesquisa. Por isso, precisamos desenvolver o nosso conhecimento e capacidade de inovação para ajudar o próximo a viver melhor", diz Ian.

O foco dos chineses é buscar mercados de alto potencial. "São dois países que podem somar e muito. Estamos vivendo uma nova fase de relações entre Brasil e China. Devemos levar em consideração o gigantesco potencial da China como investidor no exterior para que o Brasil possa atrair o investimento chinês, principalmente na educação, tecnologia e em áreas com falta de infraestrutura do País. Essa é uma realidade. A China tem investido cada vez mais em educação, pesquisa e inovação digital além de infraestrutura tecnológica. Tudo isso aumenta a competitividade das empresas chinesas no mercado global e potencializam sua expansão econômica", explica o CEO.

Ian Lin reforça o empenho do governo chinês em executar sua estratégia de inovação aliada na criação de políticas públicas. Há alguns anos, a China estava focada em grandes projetos de petróleo e agronegócios, mas agora o país asiático está investindo e atuando em setores como mobilidade por aplicativo, bancos digitais, lojas virtuais e de alta tecnologia. "O que a China quer é ser reconhecida como uma potência em inovação tecnológica", afirma o executivo.

Sobre a Serpa China
A Serpa China é uma consultoria de negócios voltada para empresas brasileiras e norte-americanas que desejam criar sólidas conexões com o mercado chinês. Fundada em 2015 e pertencente ao Grupo Serpa, a companhia tem escritórios em Shangai e Ningbo. Oferece serviços personalizados e atua para garantir que o cliente irá atingir seus objetivos de negócios com a China. Entre os serviços oferecidos estão: pesquisa de mercado e idoneidade de fornecedores chineses e estrangeiros, negociação, planejamento estratégico para projetos específicos, equipe regional - que garante proximidade e segurança durante todo o relacionamento com as companhias chinesas. Atua em diversos segmentos de mercado com destaque para os setores químico, embalagens/growler, garrafas de vidro, indústria de tintas, setor energético, alimentício (do Brasil para China), equipamentos industriais, cama-mesa-banho, autopeças e farmacêutica. Para mais informações acesse: www.gruposerpa.com.br

CEO da Serpa China, Ian Lin
Um dos principais especialistas sobre o mercado chinês, Ian Lin tem mais de 20 anos de experiência em relações comerciais e culturais entre Brasil e China e, atualmente, é CEO da Serpa China, consultoria de negócios voltada para empresas brasileiras e norte-americanas que desejam criar sólidas conexões com o mercado chinês. É responsável por oferecer o direcionamento dos projetos junto às equipes dos escritórios de Shangai e Ningbo.

Com o seu conhecimento já ofereceu consultoria a mais de 1.500 empresas, contribuindo para que os clientes atingissem os seus resultados de negócios. É especializado em desenvolvimento de negócios entre Brasil e China, atuando principalmente com abertura de companhias brasileiras na China e de empresas chinesas no Brasil, joint-ventures, transferência de tecnologia e avaliação de risco.
Lin é formado pela FATEC em processos de produção e tem especialização em Relações Internacionais pela Jiao Ton University Shanghai China. Sua origem latina e chinesa trouxe fluência em português, mandarim e espanhol, tendo morado na China, no Brasil, na Argentina e em Taiwan. A vivência multicultural e sua atuação em negócios entre países são diferencias que posicionam o executivo em destaque no mercado.

Saiba mais em: https://www.youtube.com/channel/UCt78h0oHJd8ku5RoG8ZKjSA/featured



Website: https://www.gruposerpa.com.br/serpa-china/

DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade