0

Os vestibulinhos e a difícil escolha: escola particular ou pública?

4 ago 2017
12h40
  • separator
  • comentários

Todo ano é a mesma coisa: chega o segundo semestre e logo começa o desespero dos pais de estudantes que estejam mudando do Ensino Fundamental para o Médio. A continuidade é óbvia, mas não é simplesmente a escolha entre mudar de escola ou ficar na mesma; nesse momento os pais têm que escolher entre Ensino Médio, a integração dele com o Ensino Técnico ou ainda entre a escola particular ou a pública.

Foto: DINO

Pode parecer uma escolha simples, mas não é. Com o advento do sistema de cotas, os alunos das escolas públicas são beneficiados com uma pontuação extra, como uma tentativa de empoderamento, visto que o sistema público no país ainda é bastante deficitário, de uma forma geral. Isso levou a uma mudança de comportamento de muitos pais, que mesmo podendo pagar instituições particulares, preferem matricular seus filhos em instituições públicas, para que esses tenham o benefício da pontuação extra das cotas, ao final do Ensino Médio. Para garantir que seus filhos passem nas provas, muitos desses pais pagam cursinhos especializados, os famosos pré-vestibulinhos que além de caros, são oferecidos apenas em algumas cidades maiores.

Segundo o prof. Evandir Pereira da Silva Júnior, coordenador pedagógico do Cursinho Genesis, com unidades nas cidades de Americana e Santa Bárbara d'Oeste, o público desse tipo de preparatório mudou muito nos últimos 10 anos. Segundo ele, o público que procura os cursinhos é cada vez mais formado por estudantes de classe média interessados em vagas em escolas de Ensino Médio, ou Médio+Técnico, cujas famílias já estejam pensando no benefício das cotas na época dos vestibulares, dali a 03 ou 04 anos.

Vale lembrar que um curso Médio bem feito, em uma instituição de boa qualidade pode praticamente garantir o sucesso de muitos estudantes nos vestibulares, ao final do 3º ano do Médio. A concorrência a uma vaga em uma dessas instituições pode equivaler a um vestibular e chegar a 20 ou 30 candidatos/vaga, como é o caso das escolas técnicas da Unicamp, o Cotil (Limeira) e o Cotuca (Campinas). No Brasil todo existem algumas centenas dessas instituições e a maioria delas consegue competir em pé de igualdade com as melhores escolas particulares do país.

Com o aumento da crise econômica do país, a migração de alunos das escolas particulares para as públicas têm aumentado bastante.

Outro fator relevante é o fato de que muitos pais querem que seus filhos estudem em boas escolas, de preferência que sejam públicas e gratuitas, porém não podem garantir que seus filhos estejam bem preparados; ou não estão em condição financeira de pagar os altos custos dos cursinhos preparatórios. Nesse contexto começaram a aparecer na internet a oferta de cursinhos online, porém que oferecem suporte apenas para os alunos que já estejam no Ensino Médio, com o foco no vestibular.

Um dos melhores cursinhos online , especializados na faixa etária de 14 a 16 anos, é uma startup que vem crescendo a altas taxas mensais, o VestibulinhoNota10 ou VN10, que consegue oferecer aos estudantes o mesmo ambiente dos cursinhos presenciais, com a mesma qualidade, com preços na faixa dos R$30,00 mensais. Segundo Rafael Ponce, cofundador da plataforma, " os cursinhos online são uma tendência para o futuro, pois combinam alta qualidade, com preço baixo. Queremos promover a igualdade de condições!" Ainda segundo ele, "temos crescido a altas taxas porque entregamos valor, na forma de aprovações."

Os vestibulinhos estão muito longe de acabar, como é o desejo de muitos pais e educadores. Isto ocorre por conta do crescente interesse pela qualidade oferecida pelas escolas de ensino profissionalizante, e pelos fatores todos elencados anteriormente. O que se pode esperar para o futuro próximo é um aumento na demanda, e consequentemente na concorrência por uma destas vagas. O problema da oferta de vagas nas públicas está ainda longe de ser resolvido.




Website: http://vn10.com.br/site/
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade