Variante britânica da covid-19 tem mortalidade bem mais alta

Estudo mostrou que a nova cepa do vírus tem 23 mutações em seu código genético

10 mar 2021
08h35 atualizado às 08h50
0comentários
08h35 atualizado às 08h50
Publicidade

Uma variante altamente infecciosa da covid-19 que se espalha pelo mundo desde que foi descoberta no Reino Unido no final do ano passado é entre 30% e 100% mais fatal do que linhagens anteriores, disseram pesquisadores nesta quarta-feira.

Profissionais de saúde transportam paciente com Covid-19 em hospital em Londres
26/01/2021 REUTERS/Hannah McKay
Profissionais de saúde transportam paciente com Covid-19 em hospital em Londres 26/01/2021 REUTERS/Hannah McKay
Foto: Reuters

Em um estudo que comparou índices de mortalidade entre pessoas do Reino Unido infectadas com a nova variante do SARS-CoV-2, conhecida como B.1.1.7, com aqueles de pessoas infectadas com outras linhagens, cientistas disseram que a nova variante tem uma mortalidade "consideravelmente mais alta".

A variante B.1.1.7 foi detectada no Reino Unido em setembro de 2020, e desde então já foi encontrada em mais de 100 países.

Ela tem 23 mutações em seu código genético - um número relativamente alto de alterações -, e algumas destas a tornaram muito mais capaz de se disseminar. Cientistas britânicos dizem que ela é entre 40% e 70% mais transmissível do que variantes do coronavírus em circulação que antes predominavam.

No estudo britânico, publicado nesta quarta-feira no periódico científico British Medical Journal, infecções da nova variante causaram 227 mortes em uma amostragem de 54.906 pacientes de covid-19 - em um número igual de pacientes infectados com outras variantes foram 141.

"Somado à sua capacidade de se disseminar rapidamente, isto torna a B.1.1.7 uma ameaça que deveria ser levada a sério", disse Robert Challen, pesquisador da Universidade Exeter que coliderou a pesquisa.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade