PUBLICIDADE

'Prescrever kit covid não é autonomia, é erro'

Bruno Caramelli, cardiologista e professor da USP, acredita que profissionais de saúde que prescrevem tratamento precoce devem ser punidos

18 abr 2021 05h10
| atualizado às 08h10
ver comentários
Publicidade

Bruno Caramelli, cardiologista e professor da USP, entrou com representação no Ministério Público Federal contra o Conselho Federal de Medicina por ainda permitir a prescrição de medicamentos para tratamento precoce da covid-19. Ao Estadão, ele explica por que decidiu bater de frente com a entidade.

Bruno Caramelli entrou com representação contra o CFM.
Bruno Caramelli entrou com representação contra o CFM.
Foto: Divulgação / Estadão

Como a crença no tratamento precoce está prejudicando a resposta à pandemia no Brasil?

Primeiramente, porque você está tirando as pessoas do foco daquilo que funciona. Isso é o mais cruel. Quando aquilo que funciona exige sacrifício, exige ficar em casa, exige álcool em gel, máscara e, ao mesmo tempo, você tem ao alcance das mãos um medicamento vendido sem receita que supostamente vai te proteger, a pessoa prefere não fazer o isolamento. É muito tentador. Segundo, existem efeitos colaterais dessas medicações. Eu não sou contra a autonomia, mas isso não é autonomia, é erro médico. Autonomia é eu, por exemplo, escolher um determinado tratamento quando eu tenho três ou quatro opções comprovadas cientificamente. No caso do tratamento precoce, não há eficácia e o CFM lava as mãos. Ele deveria, além de não apoiar, condenar. É isso que a gente pede. Eu posso até dar o benefício da dúvida de que, no começo do ano passado (quando o parecer do CFM foi feito), até daria pra pensar nisso, mas hoje não. Você tem um monte de estudos porcaria, com poucos pacientes, estudos mal desenhados, que foram publicados sobre cloroquina e ivermectina. Dependendo da sua maldade - não é nem ignorância, é maldade -, você pega e faz um método escolhendo só os estudos que dizem o que você quer dizer.

Por que o senhor decidiu entrar com a representação?

Eu estava muito incomodado e continuo muito incomodado. Passei a ver um monte de manifestações nos jornais e nas mídias sociais (contra a postura do CFM), mas percebi que só essas manifestações não iam adiantar. A gente precisa ir atrás de uma punição ou de uma ameaça de punição, de que as pessoas tenham medo, porque só com medo elas vão parar. Não dá para ficar parado. Nós estamos numa tragédia. Esta suposta bala de prata está tirando a concentração das pessoas em fazer o isolamento e seguir outras medidas.

O senhor ficou com medo de represálias da categoria ou de ser alvo de sindicância?

Eu tenho mais medo da covid. Perdi um dos meus melhores amigos, colegas. Essa história vai muito longe ainda e acho que só essas coisas por escrito não são suficientes, precisa de algo mais pungente, agressivo. Uma das razões que faz os médicos ainda prescreverem o kit covid é a certeza de que não vai acontecer nada. É o discurso de que ninguém vai me proibir, me punir.

Estadão
Publicidade
Publicidade