PUBLICIDADE

Orçamento de 2022 prevê R$ 3,9 bilhões para vacinação contra covid-19

Secretário da equipe econômica chegou a dizer no início do mês que poderia faltar dinheiro para a compra de vacinas se não fosse aprovado o pagamento parcelado de precatórios

31 ago 2021 16h59
| atualizado às 17h11
ver comentários
Publicidade

BRASÍLIA - O secretário de Orçamento Federal, Ariosto Culau, disse que o Projeto de Lei Orçamentária (PLOA) de 2022 reserva R$ 3,9 bilhões para a vacinação contra a covid-19. No início do mês, ele chegou a dizer que, se não fosse aprovada a proposta de emenda à Constituição (PEC) que parcela o pagamento de dívidas judiciais (precatórios) em até 10 anos, poderia faltar dinheiro para a compra de vacina em 2022.

Em 2020 e 2021, os gastos para o combate à pandemia foram autorizados por meio de crédito extraordinário, que fica de fora do cálculo do teto de gastos, a regra que impede que as despesas cresçam em ritmo superior à inflação.

Em coletiva para apresentar o PLOA de 2022, nesta terça-feira, 31, Culau disse que o crescimento significativo de precatórios sinaliza para o que pode ocorrer nos próximos anos. "Temos margem reduzida para investimentos, mas buscamos preservar os em andamento", afirmou.

Ariosto Culau, secretário de Orçamento Federal
Ariosto Culau, secretário de Orçamento Federal
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil - 08/10/2019 / Estadão

Segundo ele, coube somente ao Ministério da Saúde priorizar como iria utilizar o acréscimo de R$ 10,6 bilhões em seu orçamento para 2022. "O ministério faz sua proposta orçamentária estimando onde vai aplicar os recursos. A saúde escolheu como prioridades - e cabe a ele priorizar suas ações - alocar R$ 7 bilhões para enfrentamento à covid-19, com R$ 3,9 bilhões para vacinas", repetiu. "A Saúde priorizou de fato combate à covid", completou.

Mais uma vez, Culau alegou que o cenário para a aplicação de uma 3ª dose do imunizante ainda é bastante incerto. "Depende de quantas pessoas eu vou vacinar, quem é esse público. São todos os brasileiros ou só os mais vulneráveis, os mais idosos, os profissionais de saúde. E qual vacina será aplicada? Tem vacinas que custam US$ 5 e vacinas que custam US$ 15", acrescentou.

Estadão
Publicidade
Publicidade