Itália recebe primeiras doses de vacina da Moderna

Carregamento com 47 mil unidades chegou em Roma nesta terça

12 jan 2021
09h29 atualizado às 09h43
0comentários
09h29 atualizado às 09h43
Publicidade

A Itália recebeu nesta terça-feira (12) o primeiro carregamento de doses da vacina anti-Covid do laboratório americano Moderna, que foi aprovada para uso emergencial na União Europeia na semana passada.

Vacina anti-Covid da Moderna foi aprovada pela União Europeia
Vacina anti-Covid da Moderna foi aprovada pela União Europeia
Foto: EPA / Ansa

A carga com 47 mil unidades do imunizante chegou ao Instituto Superior da Saúde (ISS), em Roma, por volta de meio-dia (horário local) e será distribuída para os governos regionais, que são os responsáveis pela campanha de vacinação.

O carregamento havia partido da Bélgica e foi escoltado durante todo o caminho, primeiro por seguranças particulares e, após cruzar a fronteira italiana, pela Arma dos Carabineiros. A Itália tem direito a 21,536 milhões de doses da vacina da Moderna por meio de um contrato firmado pela Comissão Europeia.

O imunizante tem eficácia de 94,1% e usa a inovadora tecnologia de RNA mensageiro (mRNA), sequência genética sintética que codifica a proteína spike, espécie de "casca de espinhos" utilizada pelo coronavírus Sars-CoV-2 para atacar as células humanas.

Ao entrar no organismo, esse mRNA instrui as células a produzirem a proteína, que será reconhecida como agente invasor pelo sistema imunológico e combatida com anticorpos que, mais tarde, servirão para enfrentar uma eventual infecção pelo novo coronavírus.

Em uma conferência sobre saúde, o diretor médico da Moderna, Tal Zaks, disse que a vacina deve garantir proteção contra a Covid-19 por pelo menos um ano.

Vacinação - A campanha de vacinação na Itália começou em 27 de dezembro, com o imunizante da Biontech e da Pfizer. Desde então, 718.797 pessoas foram vacinadas, segundo o último balanço do governo, o que equivale a pouco mais de 1% da população.

O maior contingente é formado por trabalhadores da saúde (569.554), seguido por "funcionários não sanitários" (100.088) e hóspedes de asilos e clínicas para idosos (49.155). .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade