PUBLICIDADE

Covid: resistência à vacina explica alta de mortes na Rússia

A desconfiança nas autoridades russas se espalhou desde o início da pandemia no ano passado

19 out 2021 16h14
| atualizado às 16h16
ver comentários
Publicidade

A desconfiança pública generalizada em relação ao governo russo se traduziu em ceticismo sobre as vacinas contra o coronavírus, dizem os especialistas, deixando o país vulnerável a um surto de novos casos de covid-19, que agora está estabelecendo recordes.

No sábado, a Rússia ultrapassou mil mortes em um período de 24 horas pela primeira vez desde o início da pandemia (o Reino Unido, com um pouco menos da metade da população, teve 57 mortes em um período recente de 24 horas). Na segunda-feira, a Rússia quebrou outro recorde com mais de 34 mil novas infecções registradas nas 24 horas anteriores.

A desconfiança nas autoridades russas se espalhou desde o início da pandemia no ano passado, dizem pesquisadores e sociólogos, e é a principal razão pela qual apenas um terço da população do país está totalmente vacinada até agora, embora as vacinas sejam gratuitas e amplamente disponíveis no país.

Covid: Resistência à vacina explica alta de mortes na Rússia
Covid: Resistência à vacina explica alta de mortes na Rússia
Foto: Tatyana Makeyeva

Apenas cerca de 42 milhões dos 146 milhões de habitantes da Rússia foram totalmente vacinados, disse o primeiro-ministro Mikhail Mishustin na semana passada, uma taxa bem abaixo dos Estados Unidos e da maioria dos países da União Europeia.

Depois que Sofia Kravetskaya, de 36 anos, foi vacinada com a vacina russa Sputnik V em dezembro passado, ela disse que se tornou uma pária no playground de Moscou para onde leva sua filha.

"Quando mencionei que era voluntário nos testes e recebi minha primeira dose, as pessoas começaram a fugir de mim", disse ela. "Eles acreditavam que, se você fosse vacinado, o vírus estaria dentro de você e você seria contagioso."

Mesmo com um número recorde de mortes, o governo impôs poucas restrições para combater a disseminação do vírus, e sua campanha de vacinação fracassou, dizem os sociólogos, devido a uma combinação de apatia e ceticismo.

"Aproximadamente 40% dos russos não confiam no governo, e essas pessoas estão entre as mais ativas que recusam as vacinas", disse Denis Volkov, diretor do instituto Levada Center. Em agosto, uma de suas pesquisas mostrou que 52% dos russos não tinham interesse em ser vacinados.

"É uma questão de confiança e aprovação do governo e do presidente", disse ele. "Aqueles que confiam, estão muito mais dispostos a fazê-lo."

Alguns demógrafos questionaram a veracidade das estatísticas da covid-19 divulgadas pelo governo, prejudicando ainda mais sua credibilidade. A agência de estatísticas da Rússia disse na sexta-feira, por exemplo, que mais de 43,5 mil pessoas morreram de covid-19 em agosto.

Mas outro órgão estadual, a força-tarefa nacional covid-19, registrou inicialmente menos de 25 mil mortes naquele mês, de acordo com cálculos do jornal independente Moscow Times. As discrepâncias fazem com que os russos não saibam em quais números confiar.

Estadão
Publicidade
Publicidade