PUBLICIDADE

China enfrenta pior surto de covid-19 desde março de 2020

País registrou mais de 100 novos casos do novo coronavírus pelo sétimo dia na terça-feira

19 jan 2021
09h15 atualizado às 11h54
0comentários
09h15 atualizado às 11h54
Publicidade

A China está enfrentando o pior surto de covid-19 desde março de 2020, com uma província registrando um aumento diário recorde de casos, ao mesmo tempo em que um painel independente que analisa a pandemia global disse que a China poderia ter feito mais para conter o surto inicial.

Pessoas aguardam em centro de vacinação em Xangai
19/01/2021 REUTERS/Aly Song
Pessoas aguardam em centro de vacinação em Xangai 19/01/2021 REUTERS/Aly Song
Foto: Reuters

O tabloide estatal Global Times defendeu na terça-feira a condução chinesa da covid-19, dizendo que nenhum país tinha experiência em lidar com o vírus.

"Olhando para trás, nenhum país poderia ter um desempenho perfeito ao enfrentar um vírus novo ... Nenhum país pode garantir que não cometerá erros se uma epidemia semelhante ocorrer novamente", disse a publicação.

A China registrou mais de 100 novos casos de covid-19 pelo sétimo dia na terça-feira. Foram 118 novos casos na segunda-feira, contra 109 no dia anterior, informou a autoridade nacional de saúde em um comunicado.

Destes, 106 foram infecções locais, com 43 relatados em Jilin, um novo recorde diário para a província do nordeste, e 35 na província de Hebei, que circunda Pequim, segundo a Comissão Nacional de Saúde.

A própria capital chinesa relatou um novo caso, enquanto Heilongjiang, no norte, teve 27 novas infecções.

Dezenas de milhões de pessoas estão em lockdown enquanto algumas cidades do norte passam por testes em massa em meio a temores de que infecções não detectadas possam se espalhar rapidamente durante o feriado do Ano Novo Lunar, daqui algumas semanas.

Centenas de milhões de pessoas viajam durante o feriado, em meados de fevereiro deste ano, e trabalhadores migrantes voltam para suas províncias de origem para ver a família.

As autoridades apelaram às pessoas para que evitem viagens no feriado e fiquem longe de aglomerações, como casamentos.

O surto em Jilin foi causado por um vendedor infectado que viajava da província vizinha de Heilongjiang, local de um grupo anterior de infecções.

O número total de novos casos assintomáticos, que a China não classifica como infecções confirmadas, caiu de 115 um dia antes para 91.

O número total de casos confirmados de covid-19 na China continental é de 89.454, enquanto o número de mortos permaneceu inalterado em 4.635.

Um painel independente de especialistas analisando a pandemia, liderado pela ex-primeira-ministra da Nova Zelândia Helen Clark e a ex-presidente liberiana Ellen Johnson Sirleaf, disse na segunda-feira que as autoridades chinesas poderiam ter aplicado medidas de saúde mais enérgicas em janeiro do ano passado para conter o surto inicial.

Também criticou a Organização Mundial da Saúde (OMS) por não declarar uma emergência internacional até 30 de janeiro.

Uma equipe da OMS está atualmente em Wuhan, a cidade central da China onde a doença foi detectada pela primeira vez no final de 2019, para investigar as origens da pandemia que matou mais de 2 milhões de pessoas em todo o mundo.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade