PUBLICIDADE

Bolsonaro sugere tratamento adicional a vacinados com covid

Após a CPI no Senado manifestar interesse em indiciá-lo por "charlatanismo", presidente volta a colocar em dúvida a eficácia das vacinas

12 ago 2021 20h28
| atualizado às 22h10
ver comentários
Publicidade

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) rebateu a intenção manifestada por membros da cúpula da CPI da Covid no Senado para indiciá-lo por "charlatanismo" e "curandeirismo" no combate à covid-19, em especial, pela promoção de tratamentos sem eficácia comprovada. Nesta quinta-feira, durante transmissão semanal ao vivo, o presidente voltou a lançar dúvidas sobre a eficácia de vacinas e promover tratamentos que não têm comprovação contra o novo coronavírus.

Presidente Jair Bolsonaro em Brasília
31/07/2021
REUTERS/Adriano Machado
Presidente Jair Bolsonaro em Brasília 31/07/2021 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

"Se você já tomou as duas doses, estiver sentindo sintomas e, porventura, tiver sido reinfectado, procure um médico. Veja o que ele vai te receitar", afirmou o presidente. "Procure fazer um tratamento complementar, mesmo vacinado. (...) Muitas pessoas têm perdido a vida por covid mesmo após a segunda dose. Procure um médico", emendou.

Bolsonaro também afirmou aos que assistiam a transmissão para que "não entrem nessa" de pensar que ele é curandeiro ou charlatão, conforme intenção dos senadores da CPI. Nesta última quarta-feira, os parlamentares do colegiado discutiram a questão e decidiram que a acusação deve fazer parte do relatório final da CPI, a ser apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Segundo os senadores, Bolsonaro foi o principal propagador do uso de medicamentos como a ivermectina e a hidroxicloroquina durante a pandemia, disseminando informações falsas para a população e podendo ter levado pessoas à morte.

Estadão
Publicidade
Publicidade