9 eventos ao vivo

Estudo: ruído de trânsito aumenta risco de derrame em idosos

26 jan 2011
17h16
atualizado às 17h53
  • separator

Estudo de cientistas da Sociedade Dinamarquesa de Câncer indica que a exposição ao ruído de trânsito aumenta o risco de derrame em idosos com 65 anos ou mais. A pesquisa foi publicada nesta quarta na edição online da revista

Pesquisa aponta que ruídos de trânsito aumentam o risco de derrame em 27% em pessoas com mais de 65 anos para cada 10 decibéis a mais de barulho
Pesquisa aponta que ruídos de trânsito aumentam o risco de derrame em 27% em pessoas com mais de 65 anos para cada 10 decibéis a mais de barulho
Foto: Getty Images

European Heart Journal

.

A pesquisa, feita com mais de 50 mil pessoas, aponta que cada 10 decibéis a mais de barulho de trânsito aumenta o risco de derrame em 14%, em média, em todos os grupos etários. Para aqueles abaixo dos 65 anos, o risco não foi estatisticamente significativo. Mas a probabilidade aumentou enormemente no grupo de pessoas com mais de 65 anos, aumentando 27% para cada 10 decibéis a mais de barulho. Acima de 60 decibéis, o risco de derrame aumentou ainda mais, afirmaram os cientistas.

Uma rua movimentada pode facilmente gerar níveis de ruído entre 70 e 80 decibéis. Comparativamente, um cortador de grama ou uma serra elétrica atingem de 90 a 100 decibéis, enquanto um avião a jato produz 120 decibéis de ruído na decolagem.

"Estudos anteriores vincularam o ruído do tráfego a uma elevação da pressão sanguínea e de ataques cardíacos", disse o chefe das pesquisas, Mette Sorensena. "Nosso estudo demonstra que a exposição ao ruído de tráfego parece aumentar o risco de derrame", acrescentou.

O estudo revisou históricos médicos e de residência de 51.485 pessoas que participaram da pesquisa Dieta Dinamarquesa, Câncer e Saúde, realizada em Copenhague e arredores entre 1993 e 1997. Um total de 1.881 pessoas sofreu derrame neste período.

Segundo o artigo, 8% de todos os casos de derrame e 19% destes casos registrados em pessoas acima dos 65 anos poderiam ser atribuídos ao barulho do trânsito. Os cientistas sugerem que o ruído atua como um fator de estresse e perturbador do sono, o que resulta na elevação da pressão sanguínea e da frequência cardíaca, bem como no aumento do nível de hormônios de estresse.

O estudo contabilizou os efeitos da poluição do ar, da exposição ao ruído de trens e aviões e uma série de fatores de estilo de vida, potencialmente desconcertantes, como o tabagismo, a alimentação e o consumo de álcool.

Os participantes da pesquisa viviam, em sua maioria, em áreas urbanas e, portanto, não representavam a totalidade da população em termos de exposição ao ruído do trânsito.

A proximidade com este barulho também está relacionada com a classe social, uma vez que os mais abonados conseguem pagar para morar em regiões mais silenciosas.

Veja também:

As mortes sem holofotes de quem luta pelo meio ambiente no Brasil e no mundo
AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
publicidade