3 eventos ao vivo

A rã que pode ser usada como teste de gravidez 

Entre as décadas de 1930 e 1970, dezenas de milhares de rãs-de-unha-africana foram inoculadas com urina humana para detectar desenvovimento de fetos.

28 mai 2019
14h15
atualizado às 14h45
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Esta rã era usada para testes de gravidez entre as décadas de 1930 e 1970
Esta rã era usada para testes de gravidez entre as décadas de 1930 e 1970
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

A rã-de-unhas-africana (Xenopus laevis) teve uma vida tranquila nas águas da África Subsaariana por milhões de anos. Até que, nos anos 1930, um cientista britânico decidiu injetar urina nela.

Lancelot Hogben era um zoólogo que costumava injetar várias substâncias em animais, principalmente hormônios, para ver como eles reagiam.

Após um desses experimentos, ele descobriu acidentalmente que a injeção de hormônios da gravidez nesses animais os estimulava a botar ovos.

Os exames ficaram tão eficientes que por duas décadas dezenas de milhares de rãs foram inoculadas com urina humana
Os exames ficaram tão eficientes que por duas décadas dezenas de milhares de rãs foram inoculadas com urina humana
Foto: Novartis AG / BBC News Brasil

Maureen Symons se lembra de receber os resultados de um exame de gravidez feito com uma rã Xenopus nos anos 1960.

"Tenho uma imagem na minha cabeça de, pelo meno menos duas vezes, um médico de avental branco chegar e dizer, satisfeito, 'Você está grávida - as rãs puseram ovos'", diz ela à BBC.

O exame era simples: após a injeção de urina na pele de uma Xenopus fêmea, deveria-se esperar entre 5 e 12 horas para ver se ela botaria ovos
O exame era simples: após a injeção de urina na pele de uma Xenopus fêmea, deveria-se esperar entre 5 e 12 horas para ver se ela botaria ovos
Foto: Novartis AG / BBC News Brasil

Os exames Xenopus não estavam disponíveis para o público geral. Eles eram usados em casos médicos urgentes - para distinguir, por exemplo, o desenvolvimento de um feto do crescimento de um tumor.

Maureen teve dois abortos, e só as rãs lhe deram um diagnóstico eficaz.

"Hoje percebo que fui bastante privilegiada por fazer todos esses exames", ela diz.

No auge de sua popularidade, o exame Xenopus era realizado em laboratórios especiais
No auge de sua popularidade, o exame Xenopus era realizado em laboratórios especiais
Foto: BBC News Brasil

Ponto de vista

O historiador da medicina Jesse Olszynko-Gryn, da Universidade de Strathclyde, na Escócia, diz que embora a ideia soe estranha para nossos ouvidos modernos, o princípio do teste é idêntico ao de um exame caseiro. A diferença é a forma como conversamos sobre gravidez.

Ele diz que, nos anos 1930, o termo gravidez era raramente mencionado nos jornais, por ser considerado "muito biológico e um pouco rude".

Para o historiador, o teste da rã deu visibilidade à gravidez.

Exames de gravidez modernos só se popularizaram nos anos 1990
Exames de gravidez modernos só se popularizaram nos anos 1990
Foto: BBC Ideas / BBC News Brasil

"Fazer exames de gravidez é parte da criação dessa nova cultura em que vivemos hoje que realmente tornou a gravidez, o parto e a reprodução tão visíveis publicamente."

As rãs acabaram ficando em paz quando os primeiros exames caseiros começaram a ser desenvolvidos, nos anos 1970.

Assista ao vídeo original da BBC Ideas em inglês.

Clique para assinar o canal da BBC News Brasil no YouTube

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=DyyuHeLLDLI&t

https://www.youtube.com/watch?v=mmwNjgTe8A0&t

https://www.youtube.com/watch?v=9992Qsq0Y3I&t

Veja também:

Como era ser uma criança negra na Alemanha pós-guerra
BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade