0

Um manda, outro obedece, diz Pazuello em live com Bolsonaro

Presidente desautorizou ministro após anúncio de compra de doses da Coronavac

22 out 2020
16h03
atualizado às 16h12
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Depois de ser publicamente desautorizado pelo presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, recebeu o presidente em casa, nesta quinta-feira, e durante uma live, minimizou a crise e disse que "um manda, outro obedece".

Bolsonaro cumprimenta Pazuello na posse do ministro
16/09/2020
REUTERS/Adriano Machado
Bolsonaro cumprimenta Pazuello na posse do ministro 16/09/2020 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

Pazuello está em casa depois de ter sido diagnosticado com covid-19 na terça-feira e o presidente foi visitá-lo nesta quinta, em uma tentativa de demonstrar que não há crise entre eles.

Depois de Pazuello comentar que estava tomando o tradicional coquetel bolsonarista contra a Covid --hidroxicloroquina, azitromicina e, agora, o vermífugo nitazoxanida, nenhum deles com eficácia comprovada contra a doença-- e se sentia bem, Bolsonaro perguntou se ele voltaria ao trabalho na semana que vem.

"Pois é, tão dizendo que não, né?", respondeu Pazuello, referindo-se às informações de que poderia ser demitido depois de ter assinado um protocolo de intenções para compra de 46 milhões de doses da Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e o Instituto Butantan com apoio do governo de São Paulo.

A decisão de Pazuello irritou Bolsonaro, que anunciou na quarta que o governo não compraria a vacina e chegou a dizer, em entrevista à rádio Jovem Pan, que o medicamento não transmite segurança "pela sua origem".

"Falaram até que a gente estava brigado. No meio militar, é comum acontecer isso aqui, não teve problema nenhum", disse Bolsonaro, ao que Pazuello respondeu: "É simples assim, um manda e outro obedece. Mas a gente tem carinho, dá para desenrolar."

Na quarta-feira, Bolsonaro demonstrou irritação depois da divulgação do protocolo, assinado na segunda. Ao longo do dia, conversou várias vezes com o ministro e teria ficado satisfeito com a reposta rápida do ministro.

No início da tarde, o secretário-executivo do ministério, Elcio Franco, leu uma nota afirmando que o protocolo "não era vinculante", vacinas seriam compradas apenas depois do registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e não seria obrigatória.

À noite, na entrevista à Jovem Pan, perguntado se Anvisa concedesse o registro à Coronavac o governo compraria a vacina, Bolsonaro repetiu que o governo federal não irá comprar o medicamento.

Veja também:

Em meio à pressão por impeachment de Bolsonaro, Aras insinua 'estado de defesa'
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade