6 eventos ao vivo

Seppir: trajetória e postura de Feliciano são preconceituosas

Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial divulgou moção em repúdio à eleição de Marco Feliciano

8 abr 2013
13h02
atualizado às 13h16
  • separator
  • 0
  • comentários

O Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial (CNPIR), órgão vinculado à Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (Seppir), divulgou nesta segunda-feira no Diário Oficial da União moção em repúdio à eleição do deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM). O líder do PSC, deputado André Moura (SE), disse que a manifestação não muda em nada a decisão tomada pela comissão e pela Câmara.

<p>Em Madri, na Espanha, grupo de 20 pessoas com cartazes de protesto se reuniu pedindo a saída do deputado da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara</p>
Em Madri, na Espanha, grupo de 20 pessoas com cartazes de protesto se reuniu pedindo a saída do deputado da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara
Foto: Mani Madrid / Divulgação

No documento, assinado pela ministra Luiza Helena Bairros, que preside o conselho, o órgão se manifesta publicamente contrário à eleição de Feliciano. "Tal indicação contraria os propósitos da referida Comissão, assim como os princípios básicos dos Direitos Humanos, uma vez que a trajetória e a postura do deputado em relação à população LGBT e à população negra se revelam preconceituosas e excludentes, causando insatisfação aos mais diversos segmentos sociais", diz trecho da moção.

O conselho considera ainda "inaceitável" a permanência do pastor à frente da CDHM: "Considerando os avanços do Brasil no campo dos Direitos Humanos, o CNPIR entende como inaceitável a permanência do deputado Marco Feliciano na presidência da Comissão dos Direitos Humanos, visto que afronta os princípios de liberdade, respeito e dignidade da pessoa humana, que devem ser assegurados, independentemente, do pertencimento racial e da orientação sexual".

O líder do PSC ressaltou que a eleição do deputado ocorreu dentro da legalidade e que os Poderes são independentes. "Respeito a nota do conselho, a posição da ministra mas, nesse caso, a posição não interfere em nada no posicionamento do partido e da Câmara Federal. A Câmara é um Poder independente, tem suas regras próprias, seu regimento interno. Ele foi eleito obedecendo o regimento e a proporcionalidade que coube ao PSC para indicar o presidente da Comissão de Direitos Humanos", frisou o líder.

Moura voltou a defender um voto de confiança a Feliciano. Segundo ele, o deputado já pediu desculpas pela declarações "que possam ter sido mal interpretadas" e negou que seja racista ou homofóbico. "Ele já se desculpou, mas ele tem seus pontos de vista, sua lutas e tem que ser respeitado. Ele está legitimado por aqueles que o elegeram e as críticas ao pastar já formam explicadas. O que se deve agora é dar a oportunidade para que ele presida a comissão, sem fazer julgamentos antecipados. Nas sessões que ele conseguiu presidir, conduziu os trabalhos dando abertura de diálogo a todos que quiseram ir lá, de forma respeitosa, sem agressão e sem ofensas", argumentou o líder do PSC.

Amanhã, o deputado Pastor Marco Feliciano participa da reunião do colégio de líderes da Câmara para discutir a situação da comissão de Direitos Humanos. Os líderes tentarão convencer o pastor a renunciar sob o argumento de que ele não tem condições políticas de comandar o colegiado. Já Feliciano disse que não deixará o cargo.

Na semana passada, a CDHM aprovou requerimento que torna as sessões do colegiado fechadas ao público permanentemente, a pedido do presidente da comissão. A medida visa impedir o acesso de manifestantes contrários ao deputado Pastor Marco Feliciano. Só poderão acompanhar os trabalhos deputados, assessores, convidados e imprensa.

Agência Brasil Agência Brasil
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade