0

Parte do PT já está se "lixando" para Haddad, diz Cid Gomes

Para senador eleito pelo PDT, 'companheirada' petista só pensa em garantir hegemonia na oposição em futuro governo Bolsonaro

16 out 2018
17h26
atualizado às 18h49
  • separator
  • comentários

O senador eleito Cid Gomes (PDT-CE) disse nesta terça-feira, 16, ao Estadão/Broadcast, que parte do PT já deu por perdida a disputa presidencial no segundo turno das eleições 2018 e está "se lixando" para o presidenciável Fernando Haddad. Na visão do irmão de Ciro Gomes (PDT), a "companheirada" só está pensando em garantir a hegemonia na oposição a um futuro governo de Jair Bolsonaro (PSL).

Cid Gomes (PDT) foi eleito senador pelo Ceará nestas eleições
Cid Gomes (PDT) foi eleito senador pelo Ceará nestas eleições
Foto: Charles Sholl / Futura Press

"Eles (petistas) querem ser hegemônicos inclusive na oposição. Boa parte da companheirada aí já deu por perdido (o segundo turno) e está pensando nisso, em ser hegemônico na oposição. Estão se lixando para o Haddad. São incapazes de um gesto de grandeza, mesmo que isso seja permitir uma oportunidade para o jovem, talentoso, inteligente, preparado que é o Fernando Haddad. Eu acho que isso (gesto de autocrítica) tem que partir de quem está no comando do PT", afirmou.

Cid provocou polêmica em ato político realizado em Fortaleza (CE), na noite desta segunda-feira, no qual conclamou que o PT fizesse uma autocrítica para não "perder feio" de Bolsonaro no pleito presidencial. O pedetista acabou vaiado pela plateia, que começou a gritar o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso em Curitiba na Operação Lava Jato. Após a fala de Cid, o PT considera improvável criação de frente ampla contra Bolsonaro.

Nesta terça-feira, Cid Gomes reiterou à reportagem essas críticas e disse que é uma característica do PT não fazer gestos para reconhecer erros.

"Se tem uma possibilidade de reversão desse quadro (liderança de Bolsonaro), extremamente avesso ao Haddad, que eu considero o melhor candidato, é a gente ir no nó da questão, que é essa ânsia, essa raiva, essa vingança, que boa parte dos brasileiros tem em relação ao PT", disse. "Penso que a única forma de se contrapor a esse sentimento é desvincular. É um pedido de desculpas, é o reconhecimento de erros. Ser humilde não faz mal a ninguém, nunca vi ninguém sofrer porque fez gesto de humildade, de reconhecimento de erros. Falta infelizmente (esse reconhecimento de erros), que pelo visto é característica do PT", afirmou.

O senador eleito disse ainda que há um sentimento na sociedade brasileira de "dar uma lição" tanto em PT quanto no PSDB, mas os tucanos já tomaram a "porrada" no primeiro turno, quando o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, figurou como quarto colocado.

"(A rejeição da sociedade) não é só PT, não, ao PSDB também. Acho que há um sentimento de virar as duas páginas (PSDB e PT). O Alckmin levou a primeira porrada, o PSDB levou a primeira porrada no primeiro turno. É óbvio que o PT é um partido que tem mais máquina, acabou elegendo a maior bancada, que no final das contas é 10% do Congresso. Isso, para um partido que teve o presidente da República por quatro mandatos seguidos, é nada. Então há um sentimento de dar uma lição no PSDB e no PT e agora o Haddad será vítima disso", disse.

Mais cedo, Cid usou seu perfil no Facebook para tentar contornar a repercussão de suas declarações. Ele escreveu na rede social que Haddad é "infinitamente melhor que o Bolsonaro". "Eu não quero me vingar de ninguém. Para o Brasil o menos ruim é o Haddad. Por isso penso que seria melhor que ele ganhasse", publicou.

Veja também:

 

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade