PUBLICIDADE

Política

No Rio, Bolsonaro chama Lula de "quadrilheiro" e defende empresários investigados

Na Orla de Copacabana, presidente afirma que "esquerdistas têm a cabeça vazia" e que ex-presidente deve ser "extirpado" da vida pública

7 set 2022 - 16h54
(atualizado às 17h36)
Compartilhar
Exibir comentários
O presidente Jair Bolsonaro chega em Copacabana no Rio de Janeiro
O presidente Jair Bolsonaro chega em Copacabana no Rio de Janeiro
Foto: Wallace Silva / Futura Press

Em seu segundo discurso do dia, o presidente Jair Bolsonaro (PL) chamou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de "quadrilheiro" e disse que ele deve ser "extirpado da vida pública".

Para milhares de apoiadores que lotavam a Orla de Copacabana, Bolsonaro ainda defendeu empresários investigados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e voltou a dizer que, caso reeleito, "todos terão de agir dentro das quatro linhas da Constituição".

Com discurso eleitoral, Bolsonaro ataca Lula em Copacabana:

Ao citar Lula de forma indireta, Bolsonaro procurou relacioná-lo a ditaduras de esquerda da América Latina, como Venezuela, Cuba e Nicarágua. "O que todos esses chefes de Estado têm em comum? São amigos do quadrilheiro de nove dedos que disputa a eleição no Brasil. Esse tipo de gente tem de ser extirpado da vida pública", afirmou, em referência a Lula.

A uma militância fiel, Bolsonaro ainda disse que esquerdistas têm a cabeça vazia, mas que ele governa para os 215 milhões de brasileiros. Em seguida, afirmou que o "conhecimento liberará" e "fará ganharmos altura".

A menos de um mês da eleição, o presidente está estacionado nas pesquisas de voto e perde em todos os cenários de segundo turno.

Repetindo o discurso realizado na manhã desta quarta, em Brasília, o presidente afirmou também no Rio que, se reeleito, todos terão de jogar dentro das quatro linhas da Constituição. Bolsonaro não mencionou o nome de nenhum ministro do Supremo nem comentou as vaias direcionadas à Corte.

Bolsonaro chegou à cerimônia em comemoração ao Bicentenário da Independência na capital fluminense por volta das 15h depois de participar de uma motociata pelas ruas da cidade, mas apenas acompanhou as festividades pelo Bicentenário da Independência do palco oficial. O discurso foi feito de um caminhão de som ao lado de apoiadores.

Brasília

Pela manhã, em Brasília, o presidente acompanhou o desfile cívico-militar e, em seguida, discursou para apoiadores na Esplanada dos Ministérios. As falas seguiram os motes da campanha à reeleição e, desta vez, contiveram ataques velados ao Supremo Tribunal Federal. "A voz do povo é a voz de Deus", disse Bolsonaro enquanto a multidão de apoiadores vaiava a Suprema Corte brasileira.

"Hoje todos sabem que é o Poder Executivo, a Câmara dos Deputados, o Senado Federal. Todos sabem o que é o Supremo Tribunal Federal", disse ele. "Todos nós mudamos. Todos nós nos aperfeiçoamos e podemos ser melhores no futuro."

"Com a reeleição, traremos para as quatro linhas todos os que ousam ficar fora delas", disse o presidente da República, que no entanto evitou atacar frontalmente a Corte e os ministros. Durante o breve discurso, Bolsonaro também repetiu bordões, como a suposta luta do bem contra o mal e pediu a seus apoiadores que busquem votos. "Vamos convencer aqueles que pensam diferente de nós", disse.

Bolsonaro também fez críticas ao PT, afirmando que o partido quase quebrou o País nos quase 14 anos que comandou a Presidência e, mais uma vez, apelou a termos machistas para se dirigir às mulheres. Ao usar a própria esposa, Michelle Bolsonaro, de forma eleitoreira, o presidente correu o risco de reforçar o rechaço entre as mulheres, justamente o segmento que, no diagnóstico de seu próprio comitê, impede que a campanha deslanche. Apelou a estereótipos machistas, como a busca de uma "princesa" para o casamento, e de masculinidade, regendo os gritos de "imbrochável".

Em Brasília, Bolsonaro beija Michelle e puxa coro de "imbrochável":
Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade