0

Mulheres fazem beijaço na Câmara contra Jair Bolsonaro

Bolsonaro tenta suceder Feliciano na Comissão de Direitos Humanos. O caminho poderá ficar livre para ele caso o PT abra mão da comissão

11 fev 2014
18h14
atualizado às 18h25
  • separator
  • 0
  • comentários

Em meio à negociação para divisão de comissões da Câmara dos Deputados, um grupo de cinco mulheres promoveu um "beijaço" nas dependências da Casa contra a possibilidade de o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) assumir a Comissão dos Direitos Humanos. Na mesma linha dos protestos contra o deputado Marco Feliciano (PSC-SP), as ativistas levaram cartazes a deputados nos quais pediam "mais amor, menos Bolsonaro".

Grupo de cinco mulheres promoveu um "beijaço" nas dependências da Câmara dos Deputados
Grupo de cinco mulheres promoveu um "beijaço" nas dependências da Câmara dos Deputados
Foto: Luis Macedo / Agência Câmara

Bolsonaro, conhecido por suas posições conservadoras, tenta suceder Feliciano na Comissão de Direitos Humanos. O caminho poderá ficar livre para ele caso o PT abra mão da comissão e o PP não garanta a Comissão de Minas e Energia.

"Há sim uma perspectiva que essa comissão seja presidida por Bolsonaro, que na nossa opinião é um inimigo dos direitos humanos", disse Maria das Neves, diretora das jovens feministas da UJS.

Questionado sobre o protesto, Bolsonaro disse que pretende defender o direito das maiorias caso seja eleito à comissão. "Minha proposta é defender o direito das maiorias, e não das minorias. Minorias têm de se calar, se curvar a maioria", disse.

Após ser avisado do protesto, Bolsonaro disse nunca ter sido contra homossexuais, mas ao projeto que ficou conhecido como "kit gay". "Pode beijar à vontade. A minha briga nunca foi contra os homossexuais, foi contra o material escolar. Nós não podemos estimular a criança a partir dos seis anos de idade a ser homossexual como o PT vem fazendo", disse. "Se o homossexual foi violentado ou maltratado, a pena deve ser a mesma de que violentar ou maltratar um heterossexual. Porque agora eles vão ter superpoderes? Eles são semideuses? Não é porque o cara faz sexo com o seu órgão excretor que ele tem que ser melhor do que os outros."

Bolsonaro também defendeu a pena de morte contra a "minoria de marginais que aterroriza a maioria". "Quando se fala em menor vagabundo, como esse que foi preso num poste do Rio de Janeiro, você tem de ter uma política para aprisionar esses caras, buscar a redução da maioridade penal", disse.

<a data-cke-saved-href="http://noticias.terra.com.br/brasil/infograficos/polemicas-de-bolsonaro/" href="http://noticias.terra.com.br/brasil/infograficos/polemicas-de-bolsonaro/">As 10 polêmicas de Bolsonaro</a>
Ativistas levaram cartazes a deputados nos quais pediam "mais amor, menos Bolsonaro"
Ativistas levaram cartazes a deputados nos quais pediam "mais amor, menos Bolsonaro"
Foto: Luis Macedo / Agência Câmara

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade