3 eventos ao vivo

Mourão vê provas infundadas contra Bolsonaro: Não dá em nada

Vice evitou comentar a decisão do presidente em prestar depoimento por escrito na investigação sobre interferência na Polícia Federal

27 nov 2020
11h36
atualizado às 11h42
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta sexta, 27, que concorda com a alegação da Advocacia-Geral da União (AGU) de que são "infundadas" as provas contra o presidente Jair Bolsonaro, investigado por possível interferência na Polícia Federal. Mourão afirmou que o inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) é o "tipo de negócio que não dá em nada".

Vice-presidente Hamilton Mourão durante cerimônia no Palácio Itamaraty em Brasília
15/07/2020 REUTERS/Adriano Machado
Vice-presidente Hamilton Mourão durante cerimônia no Palácio Itamaraty em Brasília 15/07/2020 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

"Eu também concordo (que provas são infundadas), concordo com o presidente nisso aí. Isso é o tipo de negócio que não dá em nada", afirmou para jornalistas nesta manhã. Mourão evitou comentar a decisão de Bolsonaro de não prestar depoimento presencial no âmbito do inquérito. "Acho que se o presidente disse que não quer prestar depoimento, ele tem as razões dele. Não comentou isso comigo, não posso responder nada", disse.

O inquérito investiga acusações do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, sobre suposta interferência de Bolsonaro para trocar o comando da PF. Moro pediu demissão do governo em abril após pressão do Planalto relacionada à troca de comando da PF.

O depoimento do presidente era a última etapa que faltava para a conclusão dos investigadores. Um relatório da PF será enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR), que decidirá se há provas suficientes para a apresentação de uma denúncia contra Bolsonaro. A AGU alegou que a divulgação da reunião ministerial de 22 de abril, tornada pública por ordem do então ministro Celso de Mello, "demonstrou completamente infundadas quaisquer das ilações que deram ensejo ao presente inquérito".

Veja também:

Sem máscara, Bolsonaro vai a lotérica e padaria em Brasília
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade