3 eventos ao vivo

Otimismo com novo governo é o menor em 1º mandato desde 1989

Levantamento foi realizado pelo instituto de pesquisa Datafolha

1 jan 2019
09h59
atualizado às 10h06
  • separator
  • comentários

O índice de otimismo da população sobre o governo de Jair Bolsonaro é o menor para um primeiro ano de mandato desde 1989, segundo levantamento realizado pelo instituto de pesquisa Datafolha, publicado nesta terça-feira pelo jornal "Folha de S.Paulo".

Segundo o instituto, 65% acham que o governo Bolsonaro será ótimo ou bom, percentual maior que seu índice de vitória no segundo turno (55% dos votos válidos). Para 17% dos entrevistados, ele será regular e, para 12%, o capitão reformado fará uma gestão ruim ou péssima. Não souberam opinar 6%, publicou o jornal.

Bolsonaro será empossado presidente do Brasil nesta terça (1º)
Bolsonaro será empossado presidente do Brasil nesta terça (1º)
Foto: Ernesto Rodrigues / Estadão Conteúdo

A pesquisa foi realizada entre 18 e 19 de dezembro em 130 cidades e ouviu 2.077 pessoas. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

O jornal afirmou que em 1990, o primeiro presidente eleito após a redemocratização, Fernando Collor de Mello (PRN), assumiu com uma expectativa positiva de 71% dos entrevistados.

Em sua primeira eleição, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) teve 70% de otimismo, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) registrou 76% e Dilma Rousseff (PT), 73%, segundo o jornal.

Sondagem CNI/Ibope divulgada em 13 de dezembro apontou que 64% dos brasileiros tinham expectativa de que o próximo governo será "ótimo" ou "bom". Outros 18% afirmaram que o governo Bolsonaro será regular, 14% responderam que será "ruim" ou "péssimo". 4% não responderam. O levantamento CNI/Ibope foi realizado entre 29 de novembro e 2 de dezembro, com 2 mil pessoas em 127 municípios e a margem de erro da sondagem é de 2 pontos percentuais.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade