0

Grupo quebra vidraças e orelhões em protesto em Brasília

24 mai 2017
15h52
atualizado às 16h13
  • separator
  • 0
  • comentários

Um grupo de cerca de 50 pessoas usando máscaras no rosto promoveu um quebra-quebra em meio à manifestação contra o governo do presidente Michel Temer em Brasília após a Polícia Militar dispersar parte do protesto com bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral.

O grupo destruiu persianas e vidraças de pelo menos cinco ministérios, entre eles o da Integração Nacional, o do Trabalho e o da Agricultura. Este último havia sido cercado por tapumes, mas, mesmo assim, teve os vidros quebrados.

Foram depredados paradas de ônibus, placas de trânsito, orelhões, holofotes que iluminam os letreiros dos ministérios e até banheiros químicos que haviam sido instalados para a manifestação.
Foram depredados paradas de ônibus, placas de trânsito, orelhões, holofotes que iluminam os letreiros dos ministérios e até banheiros químicos que haviam sido instalados para a manifestação.
Foto: Reuters

Também foram depredados paradas de ônibus, placas de trânsito, orelhões, holofotes que iluminam os letreiros dos ministérios e até banheiros químicos que haviam sido instalados para a manifestação.

Em frente ao Ministério do Planejamento, no Bloco C da Esplanada dos Ministérios, o grupo de manifestantes mascarados ateou fogo em um orelhão e em cerca de 10 bicicletas de uso compartilhado.Ministério da Fazenda

Do outro lado da Esplanada, um manifestante quebrou a vidraça do comitê de imprensa do Ministério da Fazenda.
Do outro lado da Esplanada, um manifestante quebrou a vidraça do comitê de imprensa do Ministério da Fazenda.
Foto: Reuters

Do outro lado da Esplanada, um manifestante quebrou a vidraça do comitê de imprensa do Ministério da Fazenda. Os manifestantes corriam para se afastar da área em frente ao Congresso Nacional, onde as forças de segurança jogavam bombas de efeito moral. Ao passar pelo edifício do ministério, um deles atingiu a vidraça com o cabo de uma bandeira.

Mesmo com o vidro quebrado, os manifestantes não conseguiram entrar no prédio, já que há grades de segurança na janela. Na sequência da ação, membros da Força Nacional de Segurança Pública formaram um paredão e permanecem na lateral do prédio. Os funcionários do Ministério da Fazenda foram obrigados a evacuar o local.

Representantes das principais centrais sindicais protestam hoje (24) contra as reformas da Previdência e trabalhista. Eles também pedem a saída do presidente da República, Michel Temer. Em razão do protesto, toda a Esplanada foi fechada para a circulação de carros. Os servidores que vieram trabalhar nesta quarta estacionaram e entraram pelos anexos dos prédios.

Agricultura

A entrada do Ministério da Agricultura em Brasília foi atacada com coquetéis molotov por manifestantes que exigiam a renúncia do presidente Michel Temer, em um protesto que começou de forma pacífica, mas terminou gerando focos de violência.

Outros ministérios também foram atacados pelos manifestantes, que quebraram vidraças nas sedes dos ministérios da Fazenda, Minas e Energia e Turismo, entre outros, segundo pôde constatar a Agência Efe.

No entanto, a situação era mais grave no Ministério Agricultura, de cujo prédio saía uma espessa coluna de fumaça preta que tinha como origem um incêndio deflagrado no térreo e que foi finalmente sufocado pelo Corpo de Bombeiros, em meio a intensos distúrbios.

O protesto pretendia inicialmente expressar o descontentamento dos trabalhadores com as polêmicas reformas impulsionadas pelo governo, mas nos últimos dias o foco mudou e as palavras de ordem passaram a exigir a renúncia do presidente.

 

Agência Brasil Agência Brasil
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade