PUBLICIDADE

Política

"Greve branca" na PF afeta andamento de investigações sobre Bolsonaro, diz jornalista

Corporação pressiona governo Lula a cumprir reestruturação salarial, que teve o aval do próprio Ministério da Justiça

26 out 2023 - 16h04
(atualizado às 16h14)
Compartilhar
Exibir comentários
Carro da Polícia Federal (PF)
Carro da Polícia Federal (PF)
Foto: Divulgação/PF

A pressão da Polícia Federal (PF) sobre o governo federal em busca de uma reestruturação salarial está afetando o andamento de investigações importantes na corporação, incluindo inquéritos relacionados ao ex-presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com informações do blog da jornalista Malu Gaspar, do jornal O Globo, fontes de dentro da corporação informaram que gestores estão demorando a designar agentes para as equipes de perícia e análise

A "greve branca" estaria causando atrasos significativos, afetando, por exemplo, a verificação da delação do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, Mauro Cid, e a análise dos celulares do ex-presidente, que fazem parte do inquérito que investiga a fraude nos cartões de vacinação do ex-presidente e aliados.

As duas investigações fazem parte dos 21 inquéritos que têm Bolsonaro como alvo, que foram abertos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e pela PF.

Pessoas com influência nos sindicatos afirmaram que as lideranças recomendaram a redução do ritmo de trabalho como uma maneira de expressar o descontentamento com o que classificam como falta de atenção do governo em relação à aprovação da reestruturação.

Impasse

Após a posse de Luiz Inácio Lula da Silva, a cúpula da PF costurou um acordo, com o aval do Ministério da Justiça, que estabelece aumentos salariais de 37% a 79%, dependendo da função. No entanto, o projeto está atualmente paralisado no Ministério da Gestão, sob a responsabilidade de Esther Dweck.

Segundo fontes da PF, os agentes federais temem que a demora possa resultar na exclusão da reestruturação salarial do orçamento de 2024.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade