4 eventos ao vivo

Flávio Bolsonaro se diz "vítima" e nega R$ 9 mi em imóveis

Senador afirmou que são falsas informações de que teria investido tal valor em transações imobiliárias suspeitas quando deputado estadual

16 mai 2019
08h33
atualizado às 08h46
  • separator
  • 128
  • comentários

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, afirmou que são falsas informações divulgadas pela revista Veja de que teria investido 9 milhões de reais em transações imobiliárias suspeitas quando era deputado estadual, e disse ser alvo de vazamentos ilegais de informações por autoridades.

Senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ)
06/09/2018
REUTERS/Ricardo Moraes
Senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) 06/09/2018 REUTERS/Ricardo Moraes
Foto: Reuters

Reportagem publicada no site da revista na quarta-feira afirmou que o Ministério Público do Rio de Janeiro apontou indícios de que Flávio tenha utilizado negociações de imóveis para lavar dinheiro entre 2010 e 2017. A suspeita foi apontada pelo MP ao solicitar a quebra dos sigilos bancário e fiscal do senador, que foi concedida pela Justiça Rio de Janeiro.

Segundo os promotores, o então deputado estadual teria lucrado 3 milhões de reais em transações imobiliárias de 9 milhões de reais envolvendo 19 imóveis em que há "suspeitas de subfaturamento nas compras e superfaturamento nas vendas", disse a Veja.

Em nota publicada no Twitter, o senador afirmou que "não são verdadeiras as informações vazadas na revista Veja acerca de meu patrimônio".

"Continuo sendo vítima de seguidos e constantes vazamentos de informações contidas em processo que está em segredo de justiça. Os valores informados são absolutamente falsos e não chegam nem perto dos valores reais. Sempre declarei todo meu patrimônio à Receita Federal e tudo é compatível com a minha renda", acrescentou.

O senador lamentou que "algumas autoridades do Rio de Janeiro continuem a vazar ilegalmente à imprensa informações sigilosas, querendo conduzir o tema publicamente pelos meios de comunicação e não dentro dos autos", e disse que ficará provado dentro do processo legal que jamais cometeu qualquer irregularidade.

Flávio Bolsonaro passou a ser investigado pelo MP após o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontar movimentações atípicas de seu ex-assessor parlamentar na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) Fabrício Queiroz. Também foram identificados depósitos suspeitos na conta do próprio senador.

Reportagem do jornal O O Estado de S. Paulo desta quinta-feira afirma que a quebra do sigilo de Flávio atinge também oito ex-assessores do presidente Jair Bolsonaro quando era deputado federal.

Veja também:

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 128
  • comentários
publicidade