PUBLICIDADE

Política

Exército gasta R$ 20 milhões por ano com pagamento de pensões para militares expulsos por condenações na Justiça

De acordo com levantamento, cerca de 238 ‘mortos fictícios’ estão na lista

8 jun 2024 - 18h15
(atualizado às 23h09)
Compartilhar
Exibir comentários
De acordo com levantamento, cerca de 238 ‘mortos fictícios’ estão na lista
De acordo com levantamento, cerca de 238 ‘mortos fictícios’ estão na lista
Foto: Reprodução/Getty Images

O Exército brasileiro tem gastado anualmente mais de R$ 20 milhões com o pagamento de pensões para “mortos fictícios”, militares expulsos da corporação por condenações no Judiciário. São beneficiados cerca de 310 familiares de oficiais e praças que perderam o posto e patente após cometerem crimes ou infrações graves, com penas que somam mais de dois anos de reclusão. 

O termo passou a ser utilizado após a Lei 3.765, de 1960, que definiu que os militares expulsos não perdem o direito à pensão militar, mas, como o pagamento não pode ser passado diretamente a eles, os familiares ganham o direito de receber o salário.

De acordo com uma lista obtida por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI) pela Fiquem Sabendo, organização especializada em transparência pública, e depois publicada pelo jornal Folha de S.Paulo, há 38 oficiais e 200 praças nessa categoria. Nesse grupo, há nove coronéis. 

Ainda segundo os dados divulgados, só em 2023, os gastos com essas pensões chegaram a R$ 25,7 bilhões. A Marinha e a Aeronáutica pagam pensões a mais de 300 familiares de militares expulsos.

Em 2019, as carreiras nas Forças Armadas passaram por uma reestruturação, e o benefício teve um reajuste de 7,5% para 10,5% no desconto da folha de pagamento. Também foi definido que o favorecido teria que pagar a taxa enquanto receber o valor. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade