0

Ex-vereador acusado de homicídio faz campanha

Luiz André Ferreira da Silva, o Deco, está divulgando o filho Daniel Carvalho, que buscará uma vaga na Câmara Municipal

7 set 2020
12h32
atualizado às 12h49
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O ex-vereador carioca Luiz André Ferreira da Silva, o Deco, ganhou liberdade condicional em julho do ano passado, depois de mais de três anos preso, acusado de homicídio qualificado e formação de quadrilha. Agora solto, o ex-parlamentar do PL faz campanha nas redes sociais para o filho, Daniel Carvalho, que buscará uma vaga na Câmara Municipal.

Luiz André Ferreira da Silva, o Deco, estava preso há três anos
Luiz André Ferreira da Silva, o Deco, estava preso há três anos
Foto: Reprodução/TV Globo

No Facebook, Deco posta vídeos de estações de BRT que estão funcionando mal, por exemplo, além de conversar com moradores da zona oeste da cidade para ouvir reivindicações.

Antes de ser preso, em fevereiro de 2016, Deco já havia sido condenado, em 2011, a dez anos de prisão, mas respondeu ao processo em liberdade.

Entre os planos que ele teria arquitetado, segundo as investigações, estava a tentativa de matar o deputado Marcelo Freixo (PSOL), que presidiu a CPI das milícias na Assembleia Legislativa, e a então chefe da Polícia Civil e hoje deputada Martha Rocha, pré-candidata do PDT à Prefeitura do Rio.

O jornal O Estado de S. Paulo não localizou a defesa de Deco.

Em família

O caso lembra o de Jerominho, que depois de anos preso afirma ser candidato à Prefeitura - apesar de ficha-suja -, enquanto trabalha para conseguir uma vaga para a filha Carminha na Câmara. A Lei da Ficha Limpa prevê que condenados por órgão colegiado não podem se candidatar pelo período de oito anos.

"Caso não tenha havido confirmação da condenação criminal por órgão colegiado, o MP Eleitoral pode se valer da Ação de Investigação Judicial Eleitoral, quando restar comprovado que determinado candidato se valeu de abuso de poder econômico ou político para se promover, como, por exemplo, o suporte de grupos criminosos", indica a Promotoria fluminense. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também:

Senadora Simone Tebet (MDB-MS) defende representatividade mínima de 30% de mulheres na direção dos partidos
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade