PUBLICIDADE

'Espólio' bolsonarista é alvo de disputa na eleição em SP

Pré-candidatos de novembro devem priorizar na campanha as críticas a Doria, para atrair os 60% de votos dados a Bolsonaro em 2018

17 ago 2020 05h11
| atualizado às 07h29
ver comentários
Publicidade

Com a decisão do presidente Jair Bolsonaro de não se envolver, ao menos oficialmente, no primeiro turno das eleições municipais de novembro, os pré-candidatos a prefeito de São Paulo, inclusive os que são associados à esquerda, disputam o espólio bolsonarista na cidade. Uma das estratégias é se declarar como oposição ao governador João Doria (PSDB), visto como possível adversário de Bolsonaro nas eleições de 2022.

Presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada
24/07/2020 REUTERS/Adriano Machado
Presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada 24/07/2020 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

No segundo turno da eleição presidencial de 2018, Bolsonaro ganhou em 52 dos 58 distritos eleitorais e teve pouco mais de 60% dos votos válidos na capital. As campanhas têm pesquisas internas mostrando que desde a posse, em 2019, este eleitorado se dividiu entre arrependidos, lava-jatistas e aqueles que continuam fiéis ao presidente. Sejam quais forem os porcentuais, os pré-candidatos calculam que é impossível vencer a eleição sem parte desses votos.

Apresentar-se como anti-Doria foi o que levou, por exemplo, o ex-governador Marcio França (PSB) a um evento com o presidente Bolsonaro em São Vicente, cerca de dez dias atrás. Ele participou da visita de Bolsonaro a uma ponte estadual que estava interditada há meses e só foi parcialmente reaberta graças a investimentos federais depois de o governo estadual se recusar várias vezes a liberar recursos para a obra.

O encontro foi interpretado como um sinal político. O ex-governador usa como referência para sua estratégia de campanha o mapa dos votos que obteve na capital no 2° turno da disputa para governador. O pessebista venceu com folga nas franjas da cidade e avançou sobre o eleitorado "azul do centro", que historicamente vota contra o PT. Para tentar atrair o eleitor bolsonarista, França vai repetir a proposta de alistamento civil.

No PT, a estratégia é, primeiro, tentar conseguir os votos dos eleitores que escolheram Fernando Haddad em 2018. Mas os petistas não escondem o desejo de reaver parte do eleitorado que votava no partido mas migrou para Bolsonaro e hoje estaria arrependido. Uma das estratégias é colar o atual prefeito, Bruno Covas (PSDB), em Doria. Na campanha o partido vai tratar os dois como sendo um só.

"Vamos mostrar que o Doria meio que tutela o Bruno. Por isso a campanha terá duas direções. Uma é o anti-Bolsonaro, outra é a cidade", disse o coordenador de comunicação da campanha petista, José Américo Dias. Segundo o deputado Alexandre Padilha (PT-SP), que também integra a coordenação da campanha, o PT vai aproveitar vínculos criados durante o combate à pandemia do novo coronavírus para tentar entrar no eleitorado bolsonarista da capital. "Queremos ganhar já no primeiro turno uma parte do eleitorado arrependido do bolsonarismo. Os que se chocam com a postura de Bolsonaro em relação à pandemia, os pequenos e médios comerciantes que não conseguem acessar crédito", disse.

Novo critica Doria 'pela direita'

Visando o eleitorado bolsonarista, o pré-candidato do Novo, Filipe Sabará, também faz duras críticas a Doria, mas "pela direita". "Existe uma grande rejeição a Doria e o França está apostando nela, mas isso não vai colar. O Márcio Cuba não cola na direita", disse.

Ex-aliado de Doria, de quem foi secretário, Sabará rompeu com o governador e tem dito que o tucano "traiu a direita".

Já a ex-bolsonarista Joice Hasselmann (PSL) vai tentar se colocar como a candidata da Lava Jato, aproveitando seus vínculos com Sergio Moro e Deltan Dallagnol e o fato de ter nascido no Paraná, berço da operação.

A avaliação na pré-campanha de Bruno Covas é que, de fato, existe uma má vontade do eleitor paulistano com Doria por ele ter deixado o cargo e isso não mudou muito de 2018 para cá. Por outro lado, aliados do prefeito dizem que não há uma rejeição "absoluta" e dizem que o eleitor valoriza a boa relação entre prefeito e governador.

Até PSOL quer votos bolsonaristas

No extremo oposto do espectro ideológico, até o pré-candidato do PSOL, Guilherme Boulos, espera herdar parte dos votos bolsonaristas na periferia. "Minha candidatura dialoga muito com esse eleitorado. É um erro pensar que todo eleitor do Bolsonaro é ideologicamente ligado a ele. A maior parte é gente que votou nele por desespero, por desesperança. Além disso, tem muito evangélico no MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto)", disse Boulos.

Estadão
Publicidade
Publicidade