PUBLICIDADE

Política

Como é o caça F-16 que a FAB quer comprar dos Estados Unidos

Força Aérea Brasileira informou por meio de nota que está apenas 'levantando dados sobre possível aquisição'; Argentina, Chile e Venezuela também possuem o modelo em suas frotas aéreas

17 jun 2024 - 11h15
(atualizado às 17h52)
Compartilhar
Exibir comentários

A Força Aérea Brasileira (FAB) informou que está estudando a possibilidade de comprar aeronaves usadas do modelo F-16 Fighting Falcon, utilizadas pela Força Aérea dos Estados Unidos (EUA). Conhecido por "F-16? ou "Viper", apelido dado por pilotos americanos, o caça a jato começou a ser produzido há 50 anos e foi desenvolvido para operar em todas as condições meteorológicas, de dia ou a noite. O modelo se mantém ainda hoje como um dos mais procurados do mundo.

A FAB confirmou em nota divulgada na última sexta-feira, 14, que está levantando dados sobre a possível aquisição, mas que por enquanto "não estão sendo realizadas negociações com governos ou empresas, nem foram definidas quantidades ou versões".

Desenvolvido pela General Dynamics, empresa global aeroespacial e de defesa, o modelo que poderá ser adquirido pela FAB foi usado pela primeira vez em combate real em 1981, pela Força Aérea Israelense.

Governo adquiriu caças-suecos F-39 Gripen, como modelo na foto, em 2022.
Governo adquiriu caças-suecos F-39 Gripen, como modelo na foto, em 2022.
Foto: Taba Benedicto/Estadão / Estadão

O modelo é conhecido por ser altamente manobrável e fornecer um sistema de armas de alto desempenho, e são usados tanto em combates no ar, ou seja, contra outras aeronaves, como para atacar a superfície dos inimigos.

Segundo o site Poder Aéreo, especializado em aviões militares, os F-16 foram projetados para durarem 8 mil horas de voo, vida útil que pode ser esticada para 12 mil horas caso as células originais recebam um programa específico desenvolvido pela Força Aérea Americana.

Na América Latina, outros países que também possuem o modelo em suas frotas são Argentina, Chile e Venezuela. Em abril deste ano, governo do argentino Javier Milei comprou 24 caças F-16 da Dinamarca por 300 milhões de dólares (R$ 1,5 bilhão).

A intenção da compra ocorre menos de dois anos após o Brasil receber os primeiros dos 40 caças suecos F-39 Gripen, que entraram em operação em dezembro de 2022, com investimento bilionário do governo brasileiro.

A FAB não explicou as motivações para adquirir os caças norte-americanos tão pouco tempo depois da aquisição dos Gripen, que ainda contou com um acordo de transferência de tecnologia. A Força não informou se o mesmo tipo de acordo poderia ser realizado na eventual compra do modelo norte-americano.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade