PUBLICIDADE

Bolsonaro

PF deve indiciar Carlos Bolsonaro por espionagem ilegal, diz TV

Vereador é suspeito de envolvimento no uso da Abin para monitorar ilegalmente adversários políticos de Bolsonaro

25 jun 2024 - 13h46
(atualizado às 17h36)
Compartilhar
Exibir comentários
O vereador Carlos Bolsonaro (PL), filho do presidente Jair Bolsonaro (PL)
O vereador Carlos Bolsonaro (PL), filho do presidente Jair Bolsonaro (PL)
Foto: Dida Sampaio/Estadão / Estadão

O vereador Carlos Bolsonaro (PL), filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), deve ser indiciado por espionagem ilegal, pela Polícia Federal (PF), no caso conhecido como “Abin Paralela”. As informações são da CNN Brasil. 

O deputado Alexandre Ramagem (PL-RJ) e ex-Diretor-Geral da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), que deve disputar à prefeitura do Rio de Janeiro, também deve ser indiciado. Ainda segundo o canal, a PF ainda avalia o indiciamento do ex-presidente.

Em janeiro, Carlos Bolsonaro chegou a ser alvo de mandados de busca e apreensão. Além dele, sete policiais federais foram suspensos do exercício de suas funções, 

Relembre o caso

A PF investiga a suspeita de uso indevido da estrutura da Abin durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), que monitorava ilegalmente autoridades públicas, como Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, o ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia, além de jornalistas e adversários políticos.

A investigação aponta que a Abin teria realizado cerca de 33 mil monitoramentos ilegais. O esquema utilizava um software chamado FirstMile, que é capaz de invadir a rede de telefonia para, a partir do número de celular, saber a geolocalização do alvo, foi adquirido com recursos públicos, mas o seu teria sido desviado por servidores da agência.

 A PF já fez operações de buscas na residência de Carlos, além da casa de veraneio da família Bolsonaro, em Angra dos Reis.   

Para investigadores, o caso da Abin Paralela está diretamente conectado com as investigações sobre outra estrutura informal para disseminar fake news contra rivais, o chamado Gabinete do Ódio.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade