0

Bolsonaristas têm melhor desempenho nas redes; veja ranking

Levantamento realizado pelo Instituto FSB Pesquisa classificou parlamentares por influência no Facebook, Instagram e Twitter

11 jan 2021
11h46
atualizado às 11h52
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A bancada do PSL na Câmara teve o melhor desempenho nas redes sociais em 2020, com quatro bolsonaristas - Eduardo Bolsonaro (SP), Carla Zambelli (SP), Bia Kicis (DF) e Filipe Barros (PR) - entre os cinco primeiros parlamentares brasileiros mais influentes no Facebook, Instagram e Twitter, de acordo com o levantamento FSBinfluênciaCongresso, do Instituto FSB Pesquisa.

Carla Zambelli durante Cerimônia sobre o Dia do Voluntário, no Palácio do Planalto em Brasília (DF)
Carla Zambelli durante Cerimônia sobre o Dia do Voluntário, no Palácio do Planalto em Brasília (DF)
Foto: Wallace Martins / Futura Press

Eduardo desbancou a colega de partido Joice Hasselmann (SP), que hoje é um desafeto. Primeira colocada no ranking de 2019, ela perdeu influência após romper com o clã Bolsonaro e agora está na 9ª posição.

Em 2020, a bancada do PSL se manteve como a mais influente nas redes, seguida pela do PT.

Apesar do bom desempenho dos aliados do presidente, o outro filho do mandatário no Congresso caiu de posição: o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), que havia sido o 6º mais influente em 2019, está agora em 16º lugar. Ele e o petista Humberto Costa (PE) são os únicos senadores que aparecem entre os 20 primeiros colocados. Em 2020, Flávio foi denunciado pelo Ministério Público do Rio por organização criminosa, peculato e lavagem de dinheiro.

Todas as postagens dos deputados e senadores nas redes sociais avaliadas registraram 2,2 bilhões de interações - 6 milhões por dia, em média. Entre 2019 e 2020, o volume de interações (entre curtidas, comentários e compartilhamentos) cresceu 75%. Em 2019, esse total foi de 1,26 bilhão. A maior parte do crescimento foi registrado no Facebook.

Ao todo, os parlamentares reuniram, em 2020, 158,36 milhões de seguidores, um aumento de 19% na comparação com o ano anterior. O Facebook concentra a maioria desses seguidores (51,4%), à frente do Instagram (29,7%) e Twitter (18,8%). Proporcionalmente, porém, a maior alta de seguidores se deu neste último, com crescimento de 40,1%.

O aumento de interações reflete também a alta no volume de publicações: de fevereiro a dezembro de 2020, os congressistas publicaram 1,01 milhão de conteúdos nas redes pesquisadas (116 por hora), 13% mais do que em 2019.

Separados por Estados, os parlamentares de São Paulo são os mais influentes, seguidos pelos do Rio de Janeiro.

Metodologia

O instituto analisou o grau de engajamento em todas as publicações dos parlamentares de 1º de fevereiro a 31 de dezembro de 2020 e comparou com os resultados do mesmo período de 2019. Foram analisadas publicações feitas no Facebook (apenas páginas públicas), no Instagram (apenas contas business) e no Twitter. As notas são atribuídas considerando número de seguidores, quantidade, alcance e engajamento (curtidas, comentários e compartilhamentos) das publicações nas diferentes redes.

Confira o ranking dos parlamentares mais influentes:

  • 1º - Deputado Eduardo Bolsonaro - PSL-SP
  • 2º - Deputada Carla Zambelli - PSL-SP
  • 3º - Deputado Andre Janones - Avante-MG
  • 4º - Deputada Bia Kicis - PSL-DF
  • 5º - Deputado Filipe Barros - PSL-PR
  • 6º - Deputado Marcelo Freixo - PSOL-RJ
  • 7º - Senador Humberto Costa - PT-PE
  • 8º - Deputada Jandira Feghali - PCdoB-RJ
  • 9º - Deputada Joice Hasselmann - PSL-SP
  • 10º - Deputada Gleisi Hoffmann - PT-PR
  • 11º - Deputado Kim Kataguiri - DEM-SP
  • 12º - Deputado Carlos Jordy - PSL-RJ
  • 13º - Deputado Pr. Marco Feliciano - Republicanos-SP
  • 14º - Deputado Helio Lopes - PSL-SP
  • 15º - Deputado José Medeiros - Podemos-MT
  • 16º - Senador Flávio Bolsonaro - Republicanos-RJ
  • 17º - Deputado Carlos Eduardo Martins - PSC-PR
  • 18º - Deputado Daniel Silveira - PSL-RJ
  • 19º - Deputado Otoni de Paula - PSC-RJ
  • 20º - Deputado Sargento Fahur - PSD-PR

Veja também:

Em meio à pressão por impeachment de Bolsonaro, Aras insinua 'estado de defesa'
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade