PUBLICIDADE

Ricardo Vélez perde respaldo e coleciona descontentamentos

Ministro da Educação agora tem como única aliada para sua manutenção na Esplanada a deputada Bia Kicis (PSL-DF)

13 mar 2019 05h10
| atualizado às 07h52
ver comentários
Publicidade

Em pouco mais de dois meses de governo, o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, perdeu o escasso respaldo que possuía. Indicado para o posto como plano B a Mozart Neves Ramos, o professor colombiano passou a colecionar descontentamentos no Palácio do Planalto e agora tem como única aliada para sua manutenção na Esplanada a deputada Bia Kicis (PSL-DF).

O já frágil prestígio de Vélez no Planalto se deteriorou numa reunião realizada pouco antes do carnaval. Ao ser chamado para expor a proposta do MEC para o Nordeste, Vélez teria sugerido uma ação específica para primogênitos de famílias beneficiadas pelo Bolsa Família. As crianças teriam direito a um curso no Sistema S. A proposta não agradou e a exposição foi seguida por um silêncio constrangedor. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que apenas tolerava Vélez, passou a classificá-lo como um problema.

O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez
O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez
Foto: Ernesto Rodrigues / Agência Brasil

O auge da crise veio em seguida, com a polêmica, revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo, provocada pelo envio de uma carta a escolas pedindo que crianças fossem filmadas cantando o Hino Nacional. O episódio fez com que o ministro deixasse de lado um grupo da sua equipe que se identificava com o escritor Olavo de Carvalho para embasar decisões nas opiniões dos assessores Ricardo Roquetti e Luiz Antonio Tozi. A reação foi instantânea: de apoiadores, o grupo ligado a Olavo passou a ser oposição.

Além dos "olavistas", militares também ajudaram no bombardeio contra Tozi e Roquetti - nomes que, para eles, impediam uma estratégia essencial: priorizar a educação básica e reduzir recursos para educação superior. 

O incômodo parte até do vice Hamilton Mourão, que ficou descontente com elogios públicos feitos a Olavo pelo ministro. Dias antes, Mourão havia sido alvo de críticas do "guru" bolsonarista. Sem defesa aos ataques, Vélez se viu sem seus assessores e agora tenta se sustentar no cargo. 

Veja também

Supremo decide se corrupção pode ser julgada na Justiça Eleitoral:

 

Estadão
Publicidade
Publicidade