0

Assessores do presidente cobram resposta de Flávio Bolsonaro

Interlocutores do presidente Jair Bolsonaro acham prudente que Flávio explique os 48 depósitos em dinheiro feitos em uma conta dele

19 jan 2019
07h44
atualizado às 10h48
  • separator
  • comentários

Interlocutores do presidente Jair Bolsonaro cobraram na noite de ontem que o deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) explique 48 depósitos em dinheiro feitos em uma conta dele, somando R$ 96 mil, e que, se necessário, assuma a responsabilidade por eventuais erros. Na avaliação desses assessores, porém, as denúncias envolvendo o nome de Flávio seriam parte de uma campanha para tentar atingir a família e o governo Bolsonaro.

Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) durante a inauguração do 3º Colégio da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro "Percy Geraldo Bolsonaro"
Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) durante a inauguração do 3º Colégio da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro "Percy Geraldo Bolsonaro"
Foto: Fábio Motta / Estadão Conteúdo

Auxiliares do Palácio do Planalto reforçam que o presidente não tem responsabilidade sobre o caso. Para eles, o fato de Flávio ter recorrido ao Supremo Tribunal Federal para suspender as investigações contra o ex-assessor Fabrício Queiroz, que trabalhou para o senador eleito, já havia sido um "tiro no pé" e acabou criando um problema para o governo. A medida foi considerada equivocada porque provocou um fato político desnecessário.

À noite, depois da divulgação do relatório do Coaf citando movimentações suspeitas na conta de Flávio, auxiliares do presidente avaliavam que o parlamentar deveria se explicar o mais rápido possível para evitar uma "sangria" política do governo, principalmente às vésperas da viagem de Bolsonaro a Davos para participar do Fórum Econômico Mundial.

Mais cedo, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o presidente é "vítima" de uma tentativa de desgaste. "O governo, do ponto de vista do presidente Bolsonaro, tem muita tranquilidade, porque isso não tem rigorosamente nada a ver com o que envolve o presidente. Ele é, mais uma vez, vítima desse processo."

Onyx também criticou a imprensa. "Esse é um caso circunscrito a um funcionário da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Acho que existe um grande esforço no sentido de desgastar o presidente Bolsonaro. Temos de aguardar a manifestação da Justiça e o presidente tem absoluta tranquilidade." 

Veja também:

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade