PUBLICIDADE

Aliados de Alckmin, tucanos históricos devem deixar o PSDB

Em meio a articulação para disputar eleições estaduais, ex-governador deve levar dissidentes de Doria para o PSD

22 ago 2021 05h11
| atualizado às 08h57
ver comentários
Publicidade

Em vias de sair do PSDB e migrar para o PSD para disputar o governo paulista em 2022, o ex-governador Geraldo Alckmin vai levar com ele um grupo de tucanos históricos que são dissidentes do governador João Doria e reunir em seu palanque um consórcio de novos aliados que, inclusive, já foram adversários. A decisão de deixar o partido do qual é fundador, anunciada publicamente por Alckmin na semana passada, preocupa integrantes da sigla, que temem uma divisão do eleitorado no Estado governado há 27 anos pelo PSDB.

Geraldo Alckmin (e), ao lado de João Dória 13/03/2018.
Geraldo Alckmin (e), ao lado de João Dória 13/03/2018.
Foto: Nilton Fukuda / Estadão Conteúdo

Como vai disputar o Palácio dos Bandeirantes sem a retaguarda da máquina estadual - que estará sob o comando do vice-governador e pré-candidato Rodrigo Garcia -, Alckmin não deve ter o apoio formal de muitos prefeitos com mandato, mas seus aliados contam com a ajuda informal de antigos aliados. Se vencer as prévias presidenciais do PSDB, Doria terá que se desincompatibilizar do cargo até abril do ano que vem.

Entre os que acompanharão Alckmin e deixarão o PSDB estão o ex-deputado federal e ex-prefeito de São José do Rio Preto, Silvio Torres, que foi presidente estadual e secretário-geral nacional da sigla; o ex-deputado estadual de Bauru, Pedro Tobias, que também comandou o diretório estadual; e o ex-deputado federal Floriano Pesaro, que disputou as prévias estaduais em 2018.

Também devem deixar o PSDB o ex-deputado e ex-prefeito de Sorocaba, Antonio Carlos Panunzio e o ex-prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa. "Estou decidido a sair junto com o Geraldo por razões já conhecidas dentro e fora do PSDB", disse Silvio Torres ao Estadão. Filiado à legenda desde 1988, Torres foi um dos principais operadores políticos de Alckmin em Brasília e na executiva nacional do partido.

Impacto

"A saída do Geraldo terá um impacto muito grande e pode dividir o eleitorado do PSDB. Ele foi quatro vezes governador e duas vezes candidato à Presidência. Não sei se o eleitor vai entender. É uma questão delicada que não pode ser tratada de forma aleatória", disse o senador José Aníbal (SP), que é um dos quadros históricos do PSDB, mas não planeja deixar a legenda.

Adversário de Alckmin na disputa pela prefeitura em 2008, quando recebeu apoio velado dos tucanos, o ex-ministro e presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, é atualmente o principal articulador político da transferência de Alckmin, ao lado do também ex-governador Márcio França (PSB). Os dois estão atuando nos bastidores para atrair partidos médios e pequenos para o palanque de Alckmin, como Podemos, Avante, PMB, PV e Solidariedade.

"Me identifico mais com essa turma que está saindo, que é o velho PSDB, do que esse PSDB do João Doria. Minha tendência é ficar mais próximo do Geraldo", disse o ex-vereador Mário Covas Neto (Podemos), filho do ex-governador Mário Covas e tio do ex-prefeito Bruno Covas. Ele ressalta, porém, que essa é uma opinião pessoal, já que o Podemos ainda não bateu o martelo sobre sua posição em São Paulo em 2022.

Adversário interno de Doria e Alckmin nas prévias para prefeito em 2016, o ex-vereador e ex-ministro Andrea Matarazzo (PSD) também deve estar no palanque de Alckmin, assim como o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, que está de saída do MDB - partido pelo qual já foi candidato ao governo - e deve disputar o Senado na chapa formada por Alckmin e Márcio França.

O ex-governador paulista não tem pressa em anunciar seu novo partido, mas deve formalizar até o fim do mês sua saída do PSDB. Em uma tentativa de esvaziar o discurso de Alckmin, o PSDB paulista anunciou que vai fazer prévias para decidir o candidato ao governo paulista. Até agora, só o vice governador Rodrigo Garcia se apresentou.

Interlocutores de Alckmin dizem que o partido se tornou um "condomínio" de Doria. Já nos bastidores do governo paulista os correligionários do governador reclamam que Alckmin não abriu um canal de diálogo e dizem que a vaga de candidato ao Senado seria dele - o mandato de José Serra, hoje exercido pelo suplente José Aníbal porque o titular está afastado para tratamento de saúde, se encerra em 2023. Antes disso, porém, emissários de Doria chegaram a sugerir que Alckmin disputasse uma vaga de deputado federal para puxar votos na legenda, mas ele declinou.

Após entrar nas prévias do PSDB para a Prefeitura em 2016 com apoio de Alckmin, Doria se afastou do padrinho político. Já em 2017, Doria fez movimentos sinalizando que disputaria a vaga de candidato à Presidência da República no PSDB, o que azedou a relação entre eles.

Estadão
Publicidade
Publicidade