PUBLICIDADE

Polícia

Motorista de Porsche que atropelou mulher em SP estava com a CNH cassada, diz site

Empresário do setor de vendas de carros de luxo é investigado por atropelar e matar uma mulher em janeiro de 2023

10 jul 2024 - 17h57
(atualizado em 11/7/2024 às 00h26)
Compartilhar
Exibir comentários
Investigação foi conduzida pelo 30º Distrito Policial, no Tatuapé
Investigação foi conduzida pelo 30º Distrito Policial, no Tatuapé
Foto: Reprodução/Google Maps

O empresário Fábio da Silva de Oliveira, de 39 anos, é investigado por atropelar e matar uma mulher em janeiro de 2023 enquanto dirigia com a carteira de habilitação cassada. O caso ocorreu na zona leste de São Paulo. As informações são do UOL

De acordo com o site, Oliveira, empresário do setor de vendas de carros de luxo, estava com sua carteira de habilitação cassada no dia 18 de janeiro de 2023, quando atropelou Simone Ferreira dos Santos, uma auxiliar de limpeza que estava indo ao trabalho.

O acidente ocorreu por volta das 22h na Avenida Abel Ferreira. Conforme informado pelo Detran de São Paulo, após uma determinação judicial requerida pela família da vítima, a CNH de Fábio foi cassada em 21 de dezembro de 2022, com validade de dois anos.

Segundo relatado pelo médico legista que atendeu a ocorrência, o empresário teria dificultado a apuração dos fatos, recusando-se a ser fotografado, a retirar a roupa para exame físico e a fornecer sangue para análise de dosagem alcoólica. Ele também teria se negado a fazer o teste do bafômetro, afirmando ter consumido apenas três latas de cerveja poucas horas antes do atropelamento.

A defesa de Fábio Oliveira negou ao UOL que ele estivesse embriagado e alega que Simone atravessava a rua fora da faixa de pedestres no momento do acidente. No entanto, a família da vítima contesta essa versão. O advogado de Oliveira também afirmou que a auxiliar de limpeza foi negligente ao tentar cruzar a via movimentada fora do local adequado e que o empresário não fugiu do local do acidente.

Sandra Godoy, irmã de Simone, declarou que entrou em depressão após a morte da irmã e expressou indignação com a falta de justiça. Ela mencionou que Oliveira nunca procurou a família para oferecer qualquer tipo de suporte ou explicação sobre o ocorrido. Sandra ressaltou que a família não está em busca de compensação financeira, mas, sim, de justiça para a memória de Simone.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou ao site que todas as etapas de investigação solicitadas pelo Ministério Público foram cumpridas e que o inquérito policial foi encaminhado à Justiça em abril de 2023. A investigação foi conduzida pelo 30º Distrito Policial (Tatuapé). 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade