6 eventos ao vivo

MS: governo fará fórum para resolver a questão indígena em Sidrolândia

Proposta foi apresentada durante reunião entre representantes do governo federal e grupo de indígenas da etnia Terena

6 jun 2013
23h08
atualizado às 23h11
  • separator
  • comentários

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, informou na noite desta quinta-feira que um fórum deve ser criado para negociar as terras ocupadas por indígenas em Mato Grosso do Sul. No fórum, os representantes dos índios, dos fazendeiros e o governo vão tentar um acordo para o impasse na fazenda Buritis.

Líderes dos índios terenas foram recebidos pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, e pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo
Líderes dos índios terenas foram recebidos pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, e pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo
Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

"Pretende-se criar um fórum de negociação em que o governo federal estará presente. Vou propor ao governo estadual, à magistratura e a representantes dos dois lados a possibilidade de debatermos e chegarmos a um acordo sobre como podemos solucionar esse conflito", disse Cardozo.

A proposta do governo foi apresentada em uma reunião de três horas, no Ministério da Justiça. Na reunião estavam, além de Cardozo, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho; o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams; a subprocuradora-geral da República, Gilda Carvalho; além de cerca de 60 índios da etnia terena e suas lideranças. O fórum deve ter início em até 15 dias e a expectativa é que as negociações durem até dois dias.

O índio terena Antônio Aparecido, que participou do encontro com o governo, aposta no sucesso do fórum. "Para nós é um ponto positivo (a proposta do governo), apesar de várias audiências. Mais uma vez vamos acreditar na Justiça para que possa ser agilizado o mais rápido possível."

Cardozo enfatizou ainda que a saída para solução do impasse precisa ser pacífica. "Eu deixei claro que não há possibilidade de sentar para negociar enquanto houver conflitos da forma que está. Aqueles que acham que com radicalização resolve o problema da questão indígena estão errando."

Antes da reunião, o clima era de expectativa por parte dos índios, que ocupavam um auditório no ministério. O coordenador da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, Lindomar Terena, se mostrou desapontado com a forma do governo conduzir a relação com os índios. "Desde que a presidenta Dilma assumiu, o movimento indígena não foi recebido por ela. Em compensação, a bancada ruralista foi recebida cinco vezes no último mês. Isso mostra claramente para nós o lado que o governo federal preferiu estar."

Elisur Gabriel, irmão de Osiel Gabriel, morto em 30 de maio, esteve em Brasília e demonstrou apreensão com a presença da Força Nacional em Sidrolândia. "Eu não tenho o hábito de conviver com policiais armados até os dentes. Eu sinto medo. Depois que a polícia matou o meu irmão, eu tenho mais medo da polícia, principalmente das Forças Armadas."

Agência Brasil Agência Brasil

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade