1 evento ao vivo

Suspeitos de matar Marielle viram réus

Lessa e Queiroz foram presos nesta semana acusados de participação direta nos assassinatos, ocorridos a cerca de um ano.

15 mar 2019
21h11
atualizado às 21h43
  • separator
  • comentários

O policial militar aposentado Ronnie Lessa e o ex-policial militar Élcio de Queiroz se tornaram réus sob acusação de terem assassinado a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes e responderão por duplo homicídio triplamente qualificado informou à Justiça do Rio de Janeiro nesta sexta-feira.

Manifestantes protestam para marcar um ano do assassinato da vereadora Marielle Franco
14/03/2019 REUTERS/Ricardo Moraes
Manifestantes protestam para marcar um ano do assassinato da vereadora Marielle Franco 14/03/2019 REUTERS/Ricardo Moraes
Foto: Reuters

Ambos são suspeitos de ligação com milícias que têm participação de PMs da ativa. Há a suspeita de que Lessa tenha recebido 200 mil reais para matar a parlamentar.

Lessa e Queiroz foram presos nesta semana acusados de participação direta nos assassinatos, ocorridos a cerca de um ano.

Segundo o Tribunal de Justiça do Rio, eles vão responder à ação penal por duplo homicídio triplamente qualificado --motivo torpe, emboscada e recurso que dificultou a defesa da vítima--, tentativa de homicídio contra a assessora que sobreviveu e também por crime de receptação.

Na decisão, o juiz Gustavo Kalil, do 4º Tribunal do Júri do Rio, já tinha autorizado em caráter urgente e liminar, o pedido de transferência dos acusados para estabelecimento penal federal de segurança máxima e a inclusão de ambos no regime disciplinar diferenciado (RDD).

O magistrado determinou também o arresto de todos os bens móveis e imóveis em nome dos dois acusados " até o limite dos valores requeridos a título de indenização pelo Ministério Público".

O MP suspeita que Ronnie Lessa, preso no mesmo condomínio onde mora o presidente Jair Bolsonaro, estaria tentando esconder e ocultar patrimônio através de laranjas.

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) detectou uma movimentação atípica na conta de Lessa no valor de 100 mil reais depositados por ele próprio em sua conta bancária, em outubro de 2018. As investigações apontam que Lessa teria recebido 200 mil reais para matar a vereadora.

Os dois suspeitos permaneceram em silêncio desde a prisão na terça-feira. Os advogados negam que seus clientes tenham participados dos crimes.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade