0

'Eu não tinha nenhum indicativo de que Bolsonaro quisesse se afastar do partido', diz Bivar, presidente do PSL

Em meio à crise partidária detonada pelas críticas do presidente, ele nega irregularidades de campanha e diz ter jantado com Moro na última terça-feira.

9 out 2019
15h31
atualizado às 15h31
  • separator
  • 0
  • comentários

Pivô de uma crise partidária que ameaça rachar a base do governo no Congresso, o deputado federal Luciano Bivar, presidente do PSL, ao qual o presidente é filiado, afirmou à BBC News Brasil que até a manhã de ontem, dia 8, "não tinha nenhum indicativo" de que Bolsonaro quisesse se afastar dele ou da legenda.

'Não sei por que ele falou isso', disse Luciano Bivar, presidente do PSL, sobre comentário de Bolsonaro
'Não sei por que ele falou isso', disse Luciano Bivar, presidente do PSL, sobre comentário de Bolsonaro
Foto: Ag Senado / BBC News Brasil

Na terça-feira, enquanto cumprimentava apoiadores na porta do Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou a um deles que Bivar está "queimado pra caramba" e que os apoiadores deveriam "esquecer" o PSL.

"Eu realmente não sei por que ele falou isso. Eu posso falar pelo partido. Aquele ataque, eu não sei por que ele fez aquilo", disse Bivar, deixando claro que não pretende se afastar da direção da sigla ou alterar suas linhas ideológicas.

Fundador e único presidente do PSL entre 1998 e 2018, Bivar aceitou se licenciar do posto durante as eleições em troca da adesão de Bolsonaro à legenda. Durante a campanha presidencial, Gustavo Bebianno, então homem de confiança de Bolsonaro, liderou a sigla.

Após as eleições, o PSL passou de um partido nanico à segunda maior bancada da Câmara. Os cofres do partido nunca estiveram tão gordos: se em 2018 coube ao PSL R$ 17,5 milhões em recurso público eleitoral, em 2020, a projeção é que o valor atinja quase meio bilhão.

Crescimento semelhante aconteceu com o fundo público partidário: apenas em 2019, o PSL teve direito a mais de R$ 100 milhões.

Após o fechamento das urnas, Bivar resolveu retomar o controle do partido, que passou a ser disputado também pelos filhos do presidente e seus aliados. De acordo com a advogada de Bolsonaro, Karina Kufa, Bivar havia se comprometido a aumentar o espaço dos bolsonaristas em postos da direção partidária e não teria cumprido sua promessa.

Bivar se mostra cético sobre possibilidades de reconciliação com Bolsonaro e tem se recusado a falar. Para o presidente da sigla, não faz sentido entrar em embate público: com maioria nos diretórios, ele dificilmente terá seu cargo de presidente ameaçado.

E, ainda, como a definição de recursos públicos destinados ao partido é feita com base na bancada eleita, ainda que Bolsonaro saia e leve consigo dezenas de deputados, Bivar continuará controlando a soma milionária de recursos obtida em 2018.

Bivar está 'queimado pra caramba', disse Bolsonaro a simpatizante na terça-feira
Bivar está 'queimado pra caramba', disse Bolsonaro a simpatizante na terça-feira
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil / BBC News Brasil

Na conversa com a BBC News Brasil, ele tentou demonstrar tranquilidade, disse que está trabalhando normalmente em seu gabinete, e negou irregularidades na campanha. Ele ainda fez um afago ao desafeto de Bolsonaro, Bebianno, e afirmou ter ido jantar ontem com o ministro Sergio Moro, em gesto de boa vontade que pode ser também interpretado como provocação.

A seguir, os principais trechos da conversa ao telefone de Bivar com a BBC News Brasil, interrompida quando a reportagem perguntou sobre as acusações de corrupção contra Flávio Bolsonaro, acusado de empregar assessores fantasmas que depois devolveriam os salários aos então deputado estadual.

BBC News Brasil - O senhor e o presidente não têm se falado? Quando o senhor percebeu que a relação tinha mudado?

Luciano Bivar - Ontem mesmo eu tinha um convite pra ir ao Planalto, para anunciar um projeto de lei, às 17 horas da tarde. À noite tinha um jantar com o Moro, eu fui ao jantar com Moro. Tudo isso não estava... Eu não tinha nenhum indicativo de que o presidente queria se afastar do partido, eu não tinha esse indicativo.

BBC News Brasil - Depois das declarações dele, ele o procurou, emissários dele o procuraram para tentar explicar?

Bivar - Não, não. Mas também não teve tempo, né?! Isso foi ontem, né?! Eu hoje vim trabalhar também, não deu tempo. Mas foi também uma declaração bem concisa que ele falou e então acho que os comentários cabem muito a ele.

BBC News Brasil - Na sua avaliação, há possibilidade de uma reconciliação?

Bivar - O partido é o que ele se propôs há 20 anos, é um partido liberal, de economia de mercado e disso a gente não se afasta, não tem nada que vai nos afastar disso.

A gente não pode é prescindir em nenhuma outra forma de condução do partido a não ser essa linha, então, o partido está inabalável com isso o que quer que seja, eu presidente do partido, o Jair presidente da República, o partido tem no seu estatuto o que ele professa. É um partido com linhas ideológicas absolutamente definidas.

Não, eu acho que o grande sucesso do partido e do Bolsonaro foi ter interrompido um governo socialista de 20 anos, esse era o principal objetivo e isso foi alcançado, isso foi muito bom. O que vier pra frente não importa muito, é a manutenção desses princípios democráticos liberais, dessa economia liberal e isso requer muita força da Câmara, daqueles que são liberais, de direita, a manutenção disso é que é importante.

Luciano Bivar teve jantar com Sergio Moro na noite de terça-feira
Luciano Bivar teve jantar com Sergio Moro na noite de terça-feira
Foto: Ministério da Justiça / BBC News Brasil

BBC News Brasil - Essas acusações de caixa dois em Pernambuco que aparentemente motivam os ataques do presidente ao senhor, o que o senhor diz sobre isso?

Bivar - Primeiro, menina, é um factoide sem tamanho. Veja bem, eu não era presidente do partido na época, eu estava licenciado. Eu era um simples deputado, tá certo? E outra coisa, no Recife não houve denúncia de ninguém que tenha feito rachadinha, que tenha pego dinheiro pra devolver.

Todas as mulheres que foram candidatas obtiveram votos e as fotografias delas junto com o presidente. Elas não estavam junto comigo não, foi uma campanha nacional, o que nós queríamos era que o presidente fosse eleito.

Eu te falo de coração, preferiria a não eleição minha à não eleição do Bolsonaro. E foi bom porque ele foi eleito e eu também fui eleito, tudo graças a esse esforço enorme. O PSL não tinha dinheiro, Bebianno fazia das tripas coração pra gente atender isso (pedido de verba de campanha). Falar em laranja é surreal.

BBC News Brasil - Não tinha? Nem em Minas Gerais houve nada disso?

Bivar - Não, Minas Gerais não tinha, o processo está aí, realmente indiciaram o presidente (do partido), mas cada Estado tem seu diretório. Em Minas Gerais houve uma denúncia da mulher, dizendo que repassou dinheiro. Diferente de Recife, em que não teve nenhuma declaração dessa natureza, foi apenas uma ilação do delegado federal dizendo 'como é que a mulher ganha tantos mil reais e só tem 280 votos?', mas como você sabe? Você não tem bola de cristal.

Esse problema vai acontecer agora novamente em 2020, em 2022, enquanto você não alterar a legislação, porque o que a legislação determina é que se você tem 10 candidatos, 3 têm que ser mulheres, se você não tiver 3 mulheres, tiver só duas, daí tem que ser 5 homens, aí geralmente os sete homens que já trabalharam, já venderam seu fusquinha, venderam tudo pra fazer a campanha... Aí já aparece alguém que é líder comunitária (dizendo) 'eu quero ser candidata', aí é candidata, de repente a mulher não tem voto, aí ela vai ser considerada laranja?

BBC News Brasil - Mas o partido bancar assim uma campanha de uma neófita...

Bivar - Mas é obrigado, por determinação da legislação, 30% dos recursos têm que ser desviados... têm que ser para as mulheres. É uma candidatura que não deu certo.

BBC News Brasil - Quando o senhor fala que em Recife não teve denúncia de rachadinha, o senhor está se referindo ao caso do Flávio Bolsonaro, filho do presidente?

Bivar - Não, não, longe disso. Eu tô dizendo que não teve nenhuma denúncia de que foi o dinheiro que se devolveu, a mulher dizer que devolveu o dinheiro, não, não teve. O caso do Flávio não teve nada a ver com isso, isso é questão de campanha.

BBC News Brasil - Como o senhor vê a questão do Flávio?

Bivar - Olha, queridinha, agora está num momento muito delicado (exaltado). Eu tô com uma reuniãozinha pra entrar agora mas te falo depois com mais calma, pode ser?

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade