0

'E daí?', diz Bolsonaro no pior dia de pandemia no Brasil

Presidente minimizou mortes após recorde no número de óbitos

29 abr 2020
07h52
atualizado às 08h05
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

No pior dia da pandemia do novo coronavírus no Brasil até o momento, o presidente Jair Bolsonaro voltou a minimizar o crescente número de mortes no país.

Jair Bolsonaro durante pronunciamento no Palácio do Planalto, em 24 de abril
Jair Bolsonaro durante pronunciamento no Palácio do Planalto, em 24 de abril
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

Na última terça-feira (28), o Brasil registrou mais 5.385 infecções pelo Sars-CoV-2 e 474 óbitos, de acordo com o Ministério da Saúde. Com isso, o país chegou a pelo menos 71.886 casos e 5.017 mortes na pandemia, ultrapassando a China (4.637) em quantidade de falecimentos.

Já durante a noite, Bolsonaro foi questionado por uma jornalista na portaria do Palácio da Alvorada sobre o fato de o Brasil ter superado os óbitos já registrados na China. "E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre", disse o presidente, citando o próprio sobrenome.

O Brasil teve na terça-feira o maior número de mortes confirmadas desde o início da pandemia, com 474, e a segunda maior quantidade de casos diários, atrás apenas de 25 de abril, quando haviam sido registrados 5.514 novos contágios - descartando as subnotificações, que são consenso na comunidade científica.

Logo depois de ter dito "e daí?", Bolsonaro prestou solidariedade às "famílias que perderam seus entes queridos", destacando que grande parte dos mortos era de "pessoas idosas". "Mas é a vida. Amanhã vou eu. Logicamente, a gente quer, se um dia morrer, ter uma morte digna e deixar uma boa história para trás", acrescentou.

Veja também:

Governo teme que atos de rua cresçam e se tornem pró-impeachment
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade