PUBLICIDADE

SP: black blocs atacam lojas e bancos em ato do Passe Livre

19 jun 2014 - 16h55
(atualizado em 20/6/2014 às 02h51)
Compartilhar
Exibir comentários
Manifestante sobe em carro danificado em concessionária
Manifestante sobe em carro danificado em concessionária
Foto: André Lucas Almeida / Futura Press

Integrantes do Movimento Passe Livre (MPL) e de coletivos contra a Copa do Mundo realizam um protesto nesta quinta-feira, em São Paulo, com fechamento parcial de duas vias importantes: as avenidas Paulista e Rebouças. A manifestação, que era pacífica, teve depredações, barricadas com fogo e pichações após mascarados entrarem no ato.

O grupo do MPL, composto por cerca de 2 mil pessoas, segundo os organizadores, teve como destino a Marginal Pinheiros. Os manifestantes deixaram a Praça do Ciclista, na Paulista, às 16h20. O ato é acompanhado por diversas entidades ligadas à defesa dos direitos humanos, entre os quais a Human Rights Watch, a Defensoria Pública do Estado e os Advogados Ativistas.

Com batucada e bonecos gigantes do governador Geraldo Alckmin (PSDB), do prefeito Fernando Haddad (PT), dos secretários estadual e municipal de Transportes, respectivamente Jurandir Fernandes e Jilmar Tatto, além do secretário estadual de Segurança Pública, Fernando Grella, o protesto pedia tarifa zero no transporte público, comemorava a revogação do aumento de R$ 0,20, de exato um ano atrás, pedia a readmissão de metroviários demitidos durante a greve recente e se posicionava "contra a festa da Fifa,que é para uns poucos".

"A nossa festa se contrapõe a esse modelo da Fifa, pois pode vir quem quiser, e não uns poucos. Vai ser uma festa popular e na pista local da Marginal Pinheiros", afirmou Mariana Toledo, integrante do MPL. Entre os representantes da Defensoria Pública, a preocupação é com a ação do Estado, na figura da PM, durante a manifestação.

<p>Bandeira de São Paulo é jogada em meio a cacos de porta de vidro de agência do Citibank</p>
Bandeira de São Paulo é jogada em meio a cacos de porta de vidro de agência do Citibank
Foto: Débora Melo / Terra

"Estamos acompanhando para verificar se vai haver violação do direito de manifestação, como ocorreu no protesto do último dia 12, com excessos durante a abordagem dos policiais", declarou a defensora pública Helena Lahtermaher. "A ação da PM no protesto passado foi desproporcional ante os vários casos de pessoas feridas por estilhaços de bombas e balas de borracha", completou a diretora da Human Rights Watch no Brasil, Maria Laura Canineu.

Um carro da Gazeta, que seguia na frente do protesto, foi atacado por manifestantes. Vidros foram quebrados, mas o carro conseguiu avançar.

Veja momento em que manifestantes invadem concessionária e destroem carros:

Mascarados atacaram uma agência do Banco do Brasil na Rebouças, mas pararam após manifestantes do MPL pedirem calma. Uma agência do Citibank, contudo, não teve a mesma sorte e a porta de vidro foi estilhaçada. Ativistas tiraram uma bandeira do Estado de São Paulo que estava em um mastro em frente ao Banco do Brasil foi retirada e jogada em meio aos cacos. Uma agência do Bradesco também foi alvo de ataque.

Imagens da Globo News mostram um cinegrafista, que gravava imagens das depredações, ser perseguido por black blocs. Um dos manifestantes chegou a jogar um objeto, um cone de trânsito, contra o homem. Outros cinegrafistas que estavam no local não foram agredidos.

Foto: Débora Melo / Terra

Um grupo de black blocs hostilizou e afugentou manifestantes do Passe Livre, que ainda conseguiam conter o outro grupo e impedir atos de vandalismo. Ativistas invadiram uma concessionária da Mercedes-Benz e destruiu os vidros e amassou lataria de diversos carros. Na Marginal Pinheiros, sentido Castelo Branco, os black blocs coletaram diversos objetos e colocaram fogo, criando uma barreira para bloquear a via. Imagens da TV, às 19h08, mostravam a Tropa de Choque se posicionar perto do local do protesto, quando manifestantes e black blocs já haviam dispersado.

Imagens da TV mostram black blocs por ruas residenciais da região. Eles fazem novas barricadas, jogam objetos – aparentemente pedras – contra residências, atacam bicicletas públicas (do sistema Bike Sampa), além de outros atos de vandalismo.

Tropa de Choque avança contra manifestantes na Marginal Pinheiros:

Por volta das 19h20, começa um confronto com a polícia. Manifestantes jogam foguetes, e policiais respondem com bombas de efeito moral e de gás.

Na avenida Faria Lima, um dos policiais, irritado com um grupo de profissionais da imprensa, empurrou com os punhos cerrados, pelas costas, e com xingamentos, dois jornalistas -- identificados como tal -- para que se afastassem: a repórter Janaina Garcia, do Terra, e o fotógrafo Fernando, da agência Getty Images. 

Às 19h45, o ato havia perdido força e as principais vias interrompidas, como a Marginal Pinheiros, estavam liberadas.

Fonte: Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade