PUBLICIDADE

Ministério confirma que água de cervejaria estava contaminada

Análise detectou que contaminação ocorreu dentro da cervejaria, mas ainda não se sabe de que forma isso ocorreu

15 jan 2020 17h07
| atualizado às 17h24
ver comentários
Publicidade

O Ministério da Agricultura confirmou nesta quarta-feira, 15, que a fábrica mineira Backer usou água contaminada na produção de suas cervejas. A análise do ministério detectou que a contaminação ocorreu dentro da cervejaria, mas ainda não há conclusão sobre de que forma.

Peritos da Polícia Civil compareceram na sede da cervejaria Backer, no Bairro Olhos D'Água, em Belo Horizonte.
Peritos da Polícia Civil compareceram na sede da cervejaria Backer, no Bairro Olhos D'Água, em Belo Horizonte.
Foto: Uarlen Valério / O Tempo / Estadão Conteúdo

O ministério considera como hipóteses, por exemplo, o uso indevido do dietilenoglicol, sabotagem e vazamento do produto na água. Segundo o ministério, diversos tanques da fábrica estavam contaminados.

O Ministério da Agricultura anunciou já ter encontrado seis lotes contaminados da cerveja Belorizontina e uma da Capixaba. A Polícia Civil de Minas Gerais confirmou nesta quarta-feira, 15, a segunda morte por suspeita de intoxicação por dietilenoglicol encontrado na cerveja Belorizontina.

A vítima, do sexo masculino, estava internada em um hospital particular de Belo Horizonte. O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) para necropsia.

A primeira morte confirmada foi a de um morador de Ubá, na Zona da Mata, no dia 7 de janeiro. A vítima tinha 55 anos e morreu em Juiz de Fora, também na Zona da Mata.

Uma terceira morte por causa da intoxicação ainda não foi confirmada, a de uma senhora de 60 anos de Pompéu, na Região Central de Minas. Todos foram diagnosticados com problemas neurológicos e insuficiência renal grave.

A polícia informou ter recebido até esta quarta 18 notificações de casos suspeitos de pacientes que apresentaram os sintomas de possível intoxicação por dietilenoglicol, uma a mais do que o divulgado no último balanço da Secretaria de Estado de Saúde.

Veja também:

As 5 grandes sensações da CES 2020, feira de tecnologia:

 

Estadão
Publicidade
Publicidade