0

Qualidade da água derruba chefe de estação de tratamento

Governador do Rio se manifestou, dizendo que determinou apuração rigorosa. 'Transtornos inadmissíveis', disse Witzel

15 jan 2020
00h16
atualizado às 08h15
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O chefe da Estação de Tratamento de Água (ETA) da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), Julio Cesar Antunes, foi exonerado nesta terça-feira, 14, do cargo, em meio à crise do abastecimento de água no Rio. A informação foi dada com exclusividade pelo Correio da Manhã e confirmada pelo Estado.

Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae)
Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae)
Foto: Cedae/ Divulgação / Estadão Conteúdo

A empresa anunciou uma entrevista coletiva para esta quarta-feira, 15, pela manhã, durante a qual mais detalhes sobre a exoneração serão anunciados. O governador do Rio, Wilson Witzel disse pelo Twitter que determinou uma "apuração rigorosa tanto da qualidade da água quanto dos processos de gestão" da Cedae. Para o governador, são "inadmissíveis os transtornos que a população vem sofrendo por causa do problema na água" fornecida pela companhia.

Há 12 dias foram registradas as primeiras reclamações sobre a cor, o cheiro e o gosto da água que sai das torneiras em diversos bairros do Rio. A Cedae informou que constatou na água apenas a presença de geosmina, uma substância orgânica que não faria mal à saúde. A insistência nas reclamações e os relatos de pessoas que teriam passado mal após ingerir a água levou o Ministério Público a determinar a coleta de amostras de água na última segunda-feira.

Witzel disse, também pelas redes sociais, que a empresa deve acelerar uma solução definitiva para aprimorar a qualidade da água e do tratamento de esgoto das cidades próximas aos mananciais. "O consumidor não pode ser prejudicado". O governador está passando férias com a família em Orlando, nos EUA, desde o final do ano e somente nesta terça, dia do seu retorno ao Rio, se manifestou por meio da rede social. /COM AGÊNCIA BRASIL

Veja também:

O país onde ginecologistas se recusam a atender mulheres solteiras

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade