PUBLICIDADE

Justiça nega prisão de motorista de Porsche que matou motorista de app em SP

Segundo a polícia, o jovem fugiu do local depois do acidente, mas a defesa nega.

2 abr 2024 - 11h43
(atualizado às 12h44)
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
O pedido de prisão do empresário suspeito de causar um acidente que matou um motorista de aplicativo, em São Paulo, foi negado pelo Tribunal de Justiça. O suspeito dirigia um Porsche que colidiu com um carro da vítima.
Vídeo mostra o momento em que Porsche bate em carro de motorista de aplicativo em SP:

O pedido de prisão contra Fernando Sastre de Andrade Filho, de 25 anos, suspeito de provocar um acidente que resultou na morte de um motorista de aplicativo em São Paulo, foi negado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. O jovem dirigia um Porsche que bateu no carro da vítima, e ele responderá por homicídio doloso, lesão corporal e fuga após a colisão.

O suspeito, empresário do ramo imobiliário, é apontado como o responsável por colidir um carro de modelo Porsche 911 Carrera GTS, avaliado em R$ 1 milhão, no Renault modelo Sandero, dirigido por Orlando da Silva Viana, de 52 anos, na madrugada de domingo, 31. Viana, que era motorista de aplicativo, não resistiu aos ferimentos e morreu. 

Justiça nega prisão de motorista de Porsche que atingiu Sandero e causou morte de homem em SP:

O pedido de prisão do motorista ocorreu na segunda-feira, 1º, após comparecer e prestar depoimento na 30º Distrito Policial do Tatuapé, na capital paulista. "A autoridade policial representou pela decretação da sua prisão temporária e aguarda a apreciação do Poder Judiciário", disse a SSP ao Terra

No entanto, segundo a defesa do empresário, representada por Carine Acardo Garcia e Merhy Daychoum, o pedido foi negado pela Justiça. “A cautelar foi negada pelo juízo do plantão judiciário, por falta de preenchimento dos requisitos autorizadores de tal prisão”, declarou em nota.

Ainda conforme o pronunciamento, Andrade Filho não fugiu do local, “uma vez que já havia socorro sendo prestado às outras vítimas”, e os policiais militares já o haviam qualificado na ocorrência e o liberado para procurar atendimento médico. 

Acidente na Avenida Salim Farah Maluf em que um Porsche atingiu e destruiu um Sandero. O motorista do Porsche fugiu; o do Sandero, morreu.
Acidente na Avenida Salim Farah Maluf em que um Porsche atingiu e destruiu um Sandero. O motorista do Porsche fugiu; o do Sandero, morreu.
Foto: Divulgação/Polícia Civil de SP / Estadão

“Contudo, por fundado receio de sofrer linchamento, já que naquele momento passou a sofrer o “linchamento virtual”, bem como por conta do choque causado pelo acidente e pela notícia do falecimento do motorista do outro veículo, foi necessário seu resguardo”, diz a nota.  

Além disso, as advogadas afirmam que é “prematuro” julgar as causas do acidente, pois os laudos das perícias realizadas ainda não foram concluídos, e traram o caso como uma “fatalidade”. 

“Por fim, informamos que estamos entrando em contato com a família do falecido, Sr. Ornaldo, a fim de prestar nossa solidariedade, bem como assistência necessária. Obviamente, a perda não será reparada, mas minimamente prestaremos amparo necessário neste momento de tal fatalidade”, finaliza. 

O acidente

A colisão traseira ocorreu por volta das 2h de domingo, na Avenida Salim Farah Maluf, na capital paulista. Testemunhas informaram à Polícia Civil que o empresário de 25 anos, que conduzia o Porsche, seguia em alta velocidade pela via, que tem limite de 50 km/h, e, ao fazer uma ultrapassagem, perdeu o controle do veículo. 

Ele teria batido contra a traseira de um Sandero, conduzido pelo motorista de aplicativo. O condutor chegou a ser socorrido com parada cardiorrespiratória para o Hospital Tatuapé. Ele morreu por causa de "traumatismos múltiplos". 

O passageiro do Porsche, de 22 anos, também ficou ferido e foi levado ao Hospital São Luiz.

Motorista da Porsche fugiu logo após o acidente
Motorista da Porsche fugiu logo após o acidente
Foto: Reprodução/Globo News

Policiais militares que atenderam ao caso informaram à Polícia Civil que a mãe de Andrade Filho compareceu ao local e disse que levaria o filho ao Hospital São Luiz, localizado no Ibirapuera, para tratar de um ferimento na boca. 

Quando os agentes foram até ao hospital para fazer o teste do bafômetro e colher sua versão do acidente, eles não encontraram nenhum dos dois.

Em nota ao Terra, a Secretaria de Segurança Pública informou que a prioridade em casos de acidente de trânsito é garantir o resgate das vítimas e preservar o local do acidente --o que foi feito pelos PMs. Os policiais também fizeram diligências na residência do suspeito, mas ele não havia sido encontrado.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade