0

Decisão no Senado sobre decreto de armas não tem consenso entre especialistas

Promotor estadual diz que a comissão foi 'corretíssima'; presidente de movimento chama decisão de 'partidária' e 'ideológica'

13 jun 2019
03h10
  • separator
  • comentários

A decisão de uma comissão do Senado, ao aprovar projetos que anulam o decreto que flexibilizou o porte de armas no País, dividiu especialistas. Na visão do promotor do Ministério Público de São Paulo (MPE-SP) Felipe Zilberman, a comissão foi "corretíssima". Segundo afirma, o decreto seria inconstitucional porque "viola" o Estatuto do Desarmamento, lei federal de 2004, que não pode ser alterada dessa forma. "Se o presidente quer cumprir uma promessa de campanha, o que não há problema, tem de submeter essas mudanças ao Congresso. Só assim é possível revogar a lei", diz. "O que não é possível é, por uma canetada, fazer do texto legal uma tábula rasa."

Para Zilberman, a decisão da CCJ deve ser confirmada nas próximas votações no Senado e na Câmara. "Ainda que o texto seja aprovado politicamente, uma possibilidade remota, o decreto não resiste à análise de inconstitucionalidade do Judiciário", projeta.

Já o presidente do Movimento Viva Brasil e líder pró-armas, Bene Barbosa, afirma que a decisão da CCJ foi "ideológica" e "partidária". "Embora o alegado seja que o decreto extrapolou os limites e entrou na seara do Legislativo, em nenhum momento nenhum dos senadores conseguiu mostrar, tecnicamente, onde aconteceu isso."

Para ele, o decreto não apresentaria "problemas legislativos ou constitucionais". "Todos os decretos anteriores, dos últimos 30 anos, que eram sempre a favor de mais restrições a armas, jamais tiveram esse problema. O debate tem sido ideológico, entre quem acredita que o Estado tem o monopólio da força e quem acredita que os cidadãos têm direito à legítima defesa, no que me incluo."

Critérios

"O decreto deu objetividade a critérios, que antes eram subjetivos, para que o cidadão possa ter a posse de arma, se quiser", afirma Raquel Kobashi Gallinati, presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp). No entanto, a votação da CCJ indica, para ela, que a questão do armamento ainda precisa de uma "discussão mais madura"."Se há rejeição é porque a opinião da sociedade sobre o próprio decreto ainda não está solidificada, apesar de o presidente ter sido eleito com essa proposta."

Coordenador do estudo Mapa da Violência, o sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz afirma que a proposta vai "na contramão da história". "Não há prova material mostrando que armar pacifica a população. Todas as pesquisas sérias mostram exatamente o contrário: quanto mais armas maior a quantidade de homicídios e de mortes", diz.

Em nota, o Instituto Sou da Paz comemorou a "vitória parcial" na CCJ e disse que a diminuição da circulação de armas no Brasil, desde o Estatuto do Desarmamento, está relacionada à redução de índices de assassinato. "Antes, o crescimento anual dos homicídios era de 8,1% - índice que foi reduzido para 2,2%."

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade