PUBLICIDADE

Bolsonaro volta a levantar dúvidas sobre vacinas e diz que não podem ser obrigatórias

27 set 2021 13h02
ver comentários
Publicidade

O presidente Jair Bolsonaro voltou a fazer críticas às vacinas contra Covid-19, em discurso nesta segunda-feira, e defendeu que a imunização não pode ser obrigatória, apesar de dizer que não é contra os imunizantes.

02/09/2021
REUTERS/Adriano Machado
02/09/2021 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

"Não estou contra a vacina. Se estivesse contra não teria assinado a MP do ano passado destinando 20 bilhões para comprar vacina. Mas nós respeitamos a liberdade", afirmou. "Ninguém mais que eu respeita o direito de todos. A vacina não pode ser obrigatória", afirmou, dizendo ainda que "Ainda há uma grande incógnita nisso daí (vacinas)."

A vacinação contra Covid-19 no Brasil não é obrigatória, mas pesquisa em julho mostrou que a adesão às vacinas havia chegado a 94% dos brasileiros, apesar das críticas do presidente. Segundo o Datafolha, 56% disseram na ocasião que já haviam se vacinado e 38% afirmavam que pretendiam se vacinar.

Bolsonaro, que ainda não se vacinou, tem divulgado o fato de que ministros e outros membros de seu governo --além de seu filho, Eduardo-- que foram infectados pela Covid-19, foram vacinados. No domingo, ao anunciar que seu teste havia dado negativo, ressaltou que Pedro Guimarães, presidente da Caixa, estava infectado e havia tomado as duas doses de vacina.

Ao fazer a postagem, Bolsonaro foi cobrado por uma eleitora que, apesar de dizer que votou e votaria de novo no presidente, o indagou por essas declarações sobre as vacinas contra Covid.

"Não entendo qual seu propósito ao anunciar esse tipo de coisa como uma vitória, quer desencorajar as pessoas a tomarem a vacina? Quer enlouquecer quem tomou??? Não consigo entender. Sim a vacina não impede o contágio, mas reduz o risco de casos graves. Se não fosse assim porque o senhor comprou vacinas?", perguntou a apoiadora.

A resposta de Bolsonaro foi citar João 8:32, o versículo da Bíblia que diz "E conheceis a verdade e a verdade vos libertará", repetido por ele insistentemente desde as eleições, e acrescentar que os ministros Marcelo Queiroga (Saúde), Bruno Bianco (AGU) e Tereza Cristina (Agricultura) também estavam com Covid-19.

Guimarães se contagiou durante a viagem para os Estados Unidos na comitiva de Bolsonaro, na semana passada. Na terça-feira, antes de embarcar para o Brasil, Queiroga teve diagnóstico positivo. Antes dele, um diplomata que ajudou na organização da viagem também teve resultado positivo e, na volta ao Brasil, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) confirmou que está com a doença.

Além deles, Tereza Cristina e Bruno Bianco também estão com a doença, mas não estavam na comitiva.

Desde o início da epidemia, Bolsonaro critica vacinas, chegou a dizer que não iria comprá-las, e continua a dizer que são "experimentais", apesar de várias delas já terem inclusive registros definitivos. O presidente até hoje recusa se vacinar, alegando que será o último no país.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade