PUBLICIDADE

Com feito inédito fora dos campos, Vini Jr se torna símbolo da luta antirracista no futebol

Depois de anos sofrendo com racismo e ganhando títulos pelo Real Madrid, atacante brasileiro consegue sua primeira vitória fora de campo

11 jun 2024 - 09h28
(atualizado às 09h30)
Compartilhar
Exibir comentários
Vini Jr entra para a história mais uma vez, mas agora por conquista fora de campo
Vini Jr entra para a história mais uma vez, mas agora por conquista fora de campo
Foto: Reprodução: Instagram/vinijr

Nesta segunda-feira, 10, algo inédito aconteceu na Espanha. Torcedores do Valencia foram condenados a oito meses de prisão, multas e proibição de ir a estádios de futebol por dois anos por ataques racistas ao atacante brasileiro do Real Madrid, Vini Jr Essa condenação foi inédita no país.

O crime ocorreu há mais de um ano, em maio do ano passado. Na época, o jogo foi interrompido e, nessa mesma partida, Vini Jr foi expulso após confusão com jogadores do Valencia. Foram três os punidos pela justiça espanhola, contudo os ataques racista ao brasileiro vieram por uma parte considerável da torcida. Vini Jr, que no sábado passado já tinha feito história ao se tornar o primeiro brasileiro a marcar duas vezes em finais da Liga dos Campeões, ontem entrou para história mais uma vez com algo que eu considero ainda mais importante: condenar racista dentro do seu próprio país.

5 vezes em que Vini Jr lutou contra o racismo 5 vezes em que Vini Jr lutou contra o racismo

A Espanha é um país bastante racista. Só para vocês terem uma ideia, fui à Europa no início deste ano e as pessoas que foram comigo, maioria negra e que já conhecia o continente europeu, fizeram questão de não entrar na Europa por esse país por já terem experiências horríveis na imigração de lá. E não, não estou tentando dizer que é o pior país da Europa nesse sentido. Por lá, tem racista em todo canto, mas eu tenho um hábito de escalonar o racismo de países europeus pela quantidade de jogadores negros na sua seleção e, nesse quesito, dentro das maiores seleções do continente Europeu, a Espanha perde até para Alemanha.

Por outro lado, temos que ser sinceros em admitir que a Justiça espanhola caminhou rápido. Digo isso não para romantizar os espanhóis, mas lá a pauta racial não é algo amplamente debatido. A sociedade não entende em plenitude as questões raciais da mesma forma que a gente, e ainda assim eles colocaram racistas na cadeia, coisa que muitos países ainda não fizeram.

Eu acredito fortemente que Vini Jr virou um símbolo da luta antirracista no futebol. Precisamos lembrar que jogadores negros sofrem racismo em clubes europeis há muitos e muitos anos. Racismo escancarado mesmo. Jogar banana em estádio, chamar de macaco, imitar macaco e coisas nesse sentido. Jamais nada tão contundente tinha sido feito para abolir esse tipo de comportamento nos estádios europeus.

Para essa pauta caminhar, precisou de um cara como o brasileiro, que falava abertamente sobre seu incômodo, pautava isso em entrevistas coletivas, chamava árbitro para mostrar os crimes que estavam sendo cometidos com ele, parava jogo, brigava em campo a ponto de ser punido com cartões, não tinha apoio massivo e explícito de membros da sua equipe, enfrentava perseguição da imprensa da Espanha e virava chacota de jogadores de outros clubes.

Vinicius Júnior enfrentou isso tudo de cabeça erguida enquanto resolvia pelo time madrilenho dentro de campo. Jogando bem, chamando a responsabilidade e marcando gols. E eu cito isso porque, na minha leitura, o fato dele ser decisivo dentro de campo foi determinante para ser ouvido.

Futebol é um esporte de contato, repleto de competitividade e de masculinidade tóxica. Racismo, machismo, homofobia são coisas comuns no meio da bola. Seja dentro de campo ou nas arquibancadas. Nesse ambiente, talvez, você chegar, conversar, explicar sobre algumas questões sociais não será nada relevante caso você não esteja sendo decisivo. Já vimos outros jogadores de menor expressão sendo engolidos ao tentar expor preconceitos sofridos dentro do mundo da bola. O que acredito que aumente ainda mais o feito de Vini Jr, porque mostrou ter um psicológico de ouro. Não se deixar ser afetado nessa conjuntura é algo digno de aplausos.

A esperança de um futebol mais humano ganha força nessa sentença contra o racismo sofrido por Vinicius Júnior. Outros jogadores negros que pisarem na Espanha, provavelmente, já não irão passar as mesmas coisas que Vini. E, se não por consciência de quem cometeria um ataque racista, será por medo de amanhecer preso e tendo que pagar multa.

Esse é um passo gigantesco dentro de um continente que nitidamente persegue jogadores negros maximizando seus erros e mitigando suas glórias. O enfrentamento de Vini Jr é um marco para o futebol internacional e tentará ser apagado por muita gente que se nutre do racismo. Que a próxima geração chegue para ratificar os feitos de Vini Jr e não com a ignorância de ficar imitando macaco ao fazer gol enquanto seu companheiro de equipe sofre racismo com comparativos com o mesmo animal.

Fonte: Luã Andrade
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade