PUBLICIDADE

CryptoKitties: Jogo de gatos gerou mercado de criptomoedas

Entenda como este jogo de gatinhos ajudou a popularização das atividades dos NFTs

23 jul 2021 13h00
ver comentários
Publicidade

Das redes sociais, aos memes e YouTube, os gatos sempre foram uma sensação na internet. Foi então que em 2017 um estúdio canadense chamado Dapper Labs, percebeu que esse relacionamento poderia gerar um negócio lucrativo e criou o CryptoKitties, um jogo que permite a compra, venda e a criação de diferentes e adoráveis tipos de gatinhos virtuais - semelhante ao Tamagotchi, brinquedo lançado na década de 1990 que consistia em cuidar de um animalzinho virtual.

Foto: Divulgação

São milhares de cards colecionáveis de gatinhos, mas a sua grande diferença do saudoso Tamagotchi, é que cada card de gatinho criado, ou CryptoKitty, é completamente único, o que acabou gerando um mercado digital e resultou no crescimento do ecossistema de blockchain e tokens não fungíveis (NFT).

Esses são dois termos bem comuns para quem lida com as criptomoedas (moedas digitais) como o popular Bitcoin, um mercado que tem crescido nos últimos anos e que pode ser ser convertido em reais, dólares, euros e qualquer outra moeda.

Mas o que é blockchain? É uma tecnologia de validação de dados, criada para garantir as transações das criptomoedas na internet (e sem a necessidade de um banco como intermediário).

Já os tokens não fungíveis, ou NFTs na sigla em inglês, funcionam como certificados digitais e representam um ativo digital específico e individual, que não pode ser substituído, como as obras de arte, objetos raros, itens de coleção e também certos cards de gatinhos fofos.

Como funciona o CryptoKitties?

Bom, toda essa explicação serviu para te contextualizar sobre o mundo das criptomoedas, mas onde um jogo como CryptoKitties entra nisso?

Como já explicado, o game gera diferentes e únicos cards de gatinhos (ou NFTs) que só podem ser comercializados com a moeda virtual Ethereum (uma das mais negociadas no mundo ao lado do Bitcoin).

O comércio dos gatos virtuais é como qualquer outro, há os mais valiosos e aqueles de menores valores, que são comercializados por todos os preços, funcionando como uma plataforma de investimento.

De maneira simples: você pode começar comprando um gatinho barato por R$ 10 (trocados por Ethereum) e ir cruzando com gatos de vários atributos, até conseguir filhotes de "novas raças" que podem custar R$ 100 ou mais, aumentando o seu investimento inicial.

Para se ter uma ideia, há gatos no CryptoKitties que podem valer alguns milhares de reais, e um dos mais caros já vendidos na plataforma foi um gato chamado Dragon em 2018 pelo valor de 600 Ethereum (EHT), ou cerca de mais de inacreditáveis R$ 6 milhões, na cotação do dia de hoje.

Diferente do que se pode pensar, Dragon não é um gato muito diferentão, exceto pela sua cor roxa e rabo com escamas (imagem abaixo).

este é Dragon, o gato de R$ 6 milhões de CriptoKitties
este é Dragon, o gato de R$ 6 milhões de CriptoKitties
Foto: Divulgação

Como faço para comprar um CryptoKitty?

A tarefa é bem simples: você vai precisar de um computador ou um dispositivo móvel, uma carteira digital para criptomoeda como a MetaMask e claro, um pouco de Ethereum dentro dela - os gatos mais baratos giram em torno de R$ 10, ou cerca de 0,001 EHT (imagem abaixo).

Foto: Divulgação

Com isso em mãos basta acessar o mercado de gatos de CryptoKitties pelo site oficial, criar uma conta e pesquisar um lindo gatinho para comprar.

Você também pode receber um felino de presente de outro jogador ou ainda dar um lance em um gatinho que não estiver à venda, mas cabe ao proprietário decidir se deseja aceitar ou não.

A equipe do jogo coloca à venda filhotes de Geração 0 a cada 15 minutos, geralmente mais valiosos que os de gerações mais altas (que demoram mais para reproduzir).

Há também a opção de criar um casal de gatos para a reprodução de ninhadas, que também gera uma taxa de nascimento, ou ainda escolher um gato do mercado (de outro jogador) como reprodutor, pagando uma taxa definida pelo proprietário.

Reproduzindo gatos extravagantes

Todos os gatos possuem atributos individuais e do seu cruzamento é possível ter gatinhos normais ou mais extravagantes, com artes personalizadas, de acordo com a combinação dos atributos. 

A equipe do jogo também oferece ocasionalmente gatos exclusivos ou de edição especial, com aparências diferentes e que não podem ser replicados pelos jogadores, o que os tornam extremamente raros.

Foto: Divulgação

Por isso não se surpreenda se encontrar gatos com chifres, asas de dragão, escamas, rabo de lagarto ou até com vestimentas como armadura e roupa ninja (ou qualquer outra que imaginar), já que o game oferece bilhões de combinações para o visual dos gatos (claro que os mais excentricos são mais dificeis de se reproduzir).

O que esperar do futuro?

E foi assim que, um inocente game de colecionar gatinhos, se tornou um gigantesco mercado de negócios que movimenta milhares de dólares e reais diariamente na internet.

O jogo, que foi projetado como uma forma de entretenimento, virou uma máquina de fazer dinheiro, e as pessoas jogam pela única razão de ganhar uma grana com isso.

O CryptoKitties abriu as porteiras de um mercado de cripto-colecionáveis, um novo formato de produto digital que pode ser comercializado online, com potencial de se tornar uma grande indústria em um futuro próximo.

Foto: Divulgação

Somente no primeiro trimestre de 2021 o mercado de NFTs movimentou mais de US$ 2 bilhões (via Valor Investe), o que tem atraído a atenção de artistas, influenciadores e atletas como o influencer brasileiro Felipe Neto e o jogador de futebol italiano Giorgio Chiellini, que recentemente lançou uma coleção NFT.

Games como Axie Infinity, Decentraland, Crypto Voxels, entre outros existentes no mercado, seguem o caminho de CryptoKitties como uma forma de entretenimento e ao mesmo tempo para a popularização das atividades dos NFTs e do comércio das criptomoedas.

E você, está preparado para esse novo mercado de NFTs? Pode começar jogando CryptoKitties.

Fonte: Game On
Publicidade
Publicidade