PUBLICIDADE

Suspeita de vender pulseiras falsas no carnaval, irmã de Léo Moura também é acusada de golpe em Renato Augusto

Lívia Moura foi presa na última semana; ela tem doze acusações de estelionato, segundo reportagem

19 fev 2024 - 10h53
(atualizado às 11h16)
Compartilhar
Exibir comentários
Lívia Moura
Lívia Moura
Foto: Reprodução / Instagram - Legenda: Irmã de Leo Moura foi presa no Rio de Janeiro / Reprodução

Lívia Moura, 34 anos, irmã do ex-jogador do Flamengo Léo Moura, foi presa na última semana por suspeita de vender pulseiras falsas para um camarote na Marquês de Sapucaí. Ao menos 17 pessoas procuraram a polícia para denunciá-la. Mas essa não é a primeira acusação contra ela: Lívia tem doze acusações de estelionato e vários outros crimes, segundo reportagem do Fantástico, da TV Globo, exibida no domingo, 18.

De acordo com a reportagem, em 2016, ela deu um golpe no jogador Renato Augusto. Ele e a esposa convidaram Lívia para organizar uma festa. Ela fez a promessa de levar músicos, como Thiaguinho e Péricles, para cantar no evento, mas ficou com o dinheiro que deveria pagar os cachês, segundo o Ministério Público (MP RJ). O advogado de Renato Augusto, Ricardo Braga, estimou o valor entre R$ 250 mil e R$ 300 mil.

Em 2022, ela também teria se passado por funcionária do Rock in Rio para vender pulseiras com acesso à área VIP. Ao menos 14 pessoas caíram no golpe, totalizando um roubo de R$ 150 mil. Lívia foi denunciada pela organização do Rock in Rio.

Ainda conforme o Fantástico, o MP RJ pediu a prisão preventiva dela em setembro de 2022. A prisão foi convertida em domiciliar com o uso de tornozeleira eletrônica, mas ela nunca apareceu para colocar. Em fevereiro de 2024, a promotoria fez um novo pedido de prisão contra ela.

Nesse período, Lívia já estaria aplicando o golpe de venda de ingressos falsos para o camarote da Sapucaí. De acordo com investigação da Polícia Civil, o valor ultrapassa os R$ 70 mil.

"Foi uma série de mentiras que demonstrou para a gente, evidente, que ela sabia. Que em nenhum momento ela iria entregar aqueles convites. O valor ultrapassa os R$ 70 mil. A gente acredita que tenha mais gente que ainda não apareceu", afirma o delegado da Polícia Civil Gabriel Ferrando à emissora.

Lívia está presa temporariamente e vai responder por associação criminosa e a mais uma acusação por estelionato. O Terra busca contato com a defesa dela. O espaço segue aberto para manifestações.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade