3 eventos ao vivo

Artilheiro pintado marca, mas 1º time indígena perde para Paysandu

12 jan 2014
21h36
atualizado às 22h25
  • separator
  • 0
  • comentários

O primeiro time indígena do Brasil na divisão principal de um estadual estreou com derrota na tarde deste domingo, em Belém. Os cerca de cem torcedores da equipe Gavião Kyikatejê puderam comemorar o gol do artilheiro da tribo, Aru, mas o Paysandu venceu por 2 a 1 na Curuzu.

Aru entrou em campo com cocar e jogou com pinturas no corpo
Aru entrou em campo com cocar e jogou com pinturas no corpo
Foto: Filipe Faraon / Especial para Terra

O time do município de Bom Jesus do Tocantins, a cerca de 450 quilômetros da capital, jogou mal. Sofreu um gol do atacante Lima aos 24min do primeiro tempo e quase não chegou à área do Paysandu.

Com o corpo tingido nas cores típicas da tribo Kyikatejê, Aru pouco tocou na bola o jogo inteiro, mas na única chance do time na partida, o atacante indígena cabeceou forte, o goleiro Mateus não segurou e a bola rolou mansa para o gol.

Foi uma explosão de alegria para os cerca de 100 torcedores. Ainda mais que Aru foi comemorar na grade, gritando para colegas, amigos e até parentes que o apoiavam da arquibancada.

Parecia que o empate estava garantido, quando o Paysandu insistiu no ponto fraco do Gavião: a bola pelo alto. Aos 46min do segundo tempo, Zé Antônio cabeceou um cruzamento de falta e deu a vitória para o Paysandu, atual campeão da competição.

Aru fez seu gol, mas o Gavião Kyikatejê acabou derrotado por 2 a 1
Aru fez seu gol, mas o Gavião Kyikatejê acabou derrotado por 2 a 1
Foto: Filipe Faraon / Especial para Terra

Ao final, Aru lamentou a escassez de chances e o gramado encharcado. "Fizemos a nossa parte, mas o campo não ajuda. O gol dediquei a essa nação sofrida que veio para apoiar o time", disse.

O atacante cumpriu a promessa de jogar com o corpo todo pintado nas cores da tribo e entrou em campo vestindo um cocar. O time tem mais cinco atletas indígenas; o outro titular, Watiway, também estava com o corpo tingido. Antes da partida, os índios cantaram o Hino Nacional na língua Jê e apresentaram danças típicas. Na arquibancada, muitos torcedores visitantes usavam trajes típicos.

O time de Gavião Kyikatejê começou como um projeto social para índios da tribo de mesmo nome. Durante anos, uma equipe era formada para partidas amadores. Em 2009 foi criado o clube e, desde então, se tentava acesso à divisão principal do Campeonato Paraense. A classificação veio só neste ano, no sufoco, com uma vitória fora de casa.

Fonte: Especial para Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade