0

Palmeirenses hostilizam Felipão e Barcos, e técnico rebate

11 out 2014
23h20
atualizado em 12/10/2014 às 11h59
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O técnico Luiz Felipe Scolari enfrentou pela primeira vez o Palmeiras desde que teve encerrada sua segunda passagem pelo clube em setembro de 2012. Na partida realizada na noite de sábado, no Pacaembu, a principal torcida uniformizada alviverde, que não tinha boa relação com o treinador, provocou o comandante do Grêmio durante a vitória por 2 a 1. Outro ex-alviverde, Barcos, também não escapou da "perseguição" dos fãs da equipe paulista.

Pouco antes da execução do hino nacional, a organizada entoou o canto "Não é mole, não, o Felipão afundou a Seleção", em referência à goleada por 7 a 1 sofrida pelo Brasil para a Alemanha na Copa do Mundo. Em seguida, um grupo ainda xingou o técnico. Neste momento, o restante do estádio ficou dividido, pois, enquanto a maior parte ignorou o reencontro, houve torcedores que vaiaram e também os que aplaudiram o gaúcho.

Barcos é expulso e torcida do Palmeiras pega no pé; veja
Felipão ironiza palmeirenses: "dei último título para eles"

Porém, depois do segundo gol palmeirense, a organizada voltou a cantar que Felipão "afundou a Seleção", desta vez ganhando a companhia de grande parte da torcida. Após a derrota, o ex-treinador da Seleção Brasileira foi ríspido e comentou pouco sobre o que disseram. "Eu dei o último título para eles. Vão ter que correr muito para outro", disse, em referência à Copa do Brasil de 2012.

Em campo, Felipão não teve do que se queixar da recepção. Antes de se acomodarem no banco de reservas para o início da partida, Patrick Vieira e Wendel foram ao banco do Grêmio e abraçaram o técnico e o auxiliar Murtosa. Os dois atletas estavam no clube na época do treinador, mas só o meia foi aproveitado, enquanto o volante trabalhava separado.

Ao terminar de cumprimentar os dois, o técnico deixou sua área reservada e abraçou também Dorival Júnior, com quem conversou por alguns minutos. Neste momento, o ex-gremista Leandro também estendeu a mão a Scolari, antes de se dirigir ao banco dos gaúchos para rever amigos.

Segundo técnico com mais jogos à frente do Palmeiras, com 408 partidas (atrás apenas de Osvaldo Brandão), Felipão teve sua segunda passagem encerrada em setembro de 2012, poucos meses depois de ter conquistado a Copa do Brasil, pois a situação do clube era muito complicada no Brasileirão. A troca do gaúcho por Gilson Kleina não salvou o time paulista do rebaixamento.

Assim como Felipão, Barcos voltou ao Pacaembu pela primeira vez para enfrentar o Palmeiras. O atacante, que encarou o rival no jogo do primeiro turno, em Caxias do Sul, teve seu nome até mais vaiado do que o de Felipão no anúncio das escalações pelo placar eletrônico. O atacante ainda voltou a ser xingado depois de ter sido expulso, no segundo tempo.

Autor do gol gremista, o Pirata fez o gesto de cobrir um dos olhos e estender o outro braço, em direção à torcida tricolor, enquanto deixava o gramado por conta do cartão vermelho. Já os palmeirenses vaiaram muito e xingaram o atacante, que atuou pelo clube em 2012, transferindo-se para o Grêmio no início da temporada seguinte.

Com informações da agência Lancepress!

Veja os gols de Palmeiras 2 x 1 Grêmio pelo Brasileiro

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade