1 evento ao vivo

Pai de Neymar se reúne com Bolsonaro, Guedes e Receita

Empresário conversou sobre o processo que será julgado pelo Carf

18 abr 2019
12h30
atualizado às 12h37
  • separator
  • comentários

O pai e agente do jogador Neymar, Neymar da Silva Santos, se reuniu nesta quarta-feira (17) com a Receita Federal e o ministro da Economia, Paulo Guedes, para tratar de "questões tributárias relativas a atividades esportivas". O empresário também se encontrou com o presidente Jair Bolsonaro.

Foto: Reprodução

Segundo o Ministério da Economia, o pai do atacante do Paris Saint-Germain (PSG) e da Seleção Brasileira se reuniu inicialmente com Bolsonaro para conversar sobre o caso, mas foi conduzido ao ministro e o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra. A pasta informou que o assunto discutido teve um tema de "natureza técnica".

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A Neymar Sport e Marketing se orgulha de estar entre os 10 mil maiores contribuintes do nosso país.

Uma publicação compartilhada por Neymar Pai (@neymarpai_) em

"O empresário apresentou seus esclarecimentos ao ministro Paulo Guedes, sendo usual a concessão de audiências ao setor privado, conforme consta na agenda pública das autoridades da União.

Independentemente da audiência, todo o encaminhamento da questão ocorrerá no âmbito do respectivo processo administrativo fiscal e observará todas as premissas legais aplicáveis", afirmou o Ministério da Economia.

Após a reunião, Neymar pai publicou uma foto em seu perfil oficial do Instagram no gabinete de Bolsonaro. Na legenda da publicação, escreveu que a "Neymar Sport e Marketing [empresa que cuida da carreira de Neymar] se orgulha de estar entre os 10 mil maiores contribuintes do nosso país".

O pagamento de impostos pelo craque do PSG é acompanhado de perto pela Receita. Em 2015, o "leão" multou Neymar Júnior em R$188 milhões em um inquérito que investigava sonegação fiscal. Na ocasião, a Justiça chegou até a bloquear bens do astro brasileiro.

Em 2017, a ocorrência foi julgada pelo Conselho Administrativo de Recursos Federais (Carf) e reduziu a multa de Neymar para R$ 8 milhões, segundo informou a defesa do camisa 10.

Ansa - Brasil   
  • separator
  • comentários
publicidade